MME enquadra seis eólicas no Nordeste ao Reidi

Projetos serão implantados nos estados de Pernambuco, Bahia e Piauí

O Ministério de Minas e Energia aprovou na última sexta-feira, 24 de julho, o enquadramento ao Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura de seis eólicas no Nordeste. Em Pernambuco, entraram no Reidi as EOLs Ouro Branco I e II e Ventos de Santo Estevão IV. O projeto das duas primeiras usinas se assemelham, com a construção de quinze unidades geradoras em cada eólica, que alcançam 30 MW de potência instalada. As obras terão início no dia 30 de janeiro de 2016, e vão até 31 de dezembro do mesmo ano. Somado, o investimento nas usinas chega a R$ 235,6 milhões, sem impostos. Na EOL Ventos de Santo Estevão IV também serão implantadas quinze turbinas, com capacidade instalada total de 30 MW. O período de execução de obras vai de 31 de outubro de 2016 a 1º de outubro de 2017. A demanda de investimentos alcança R$ 127,5 milhões, sem a incidência de impostos.

Na Bahia, duas eólicas foram enquadradas ao Regime. São elas as EOLs Assuruá III e Capoeiras III. Na primeira usina, serão construídas seis unidades geradoras, que totalizam 28 MW de potência. A realização das obras será iniciada dia 2 de maio de 2016, e tem expectativa de término para o dia 1º de outubro de 2017. O valor do investimento aplicado no projeto chega a R$ 53,8 milhões, sem impostos. Já na segunda eólica, serão construídas quatorze turbinas, com um total de 28 MW de capacidade instalada. As obras começam a ser realizadas no dia 2 de maio de 2016, e vão até 1º de outubro de 2017. Foram gastos R$ 125,6 milhões no empreendimento, com o valor de impostos excluído do cálculo.

No Piauí, o MME enquadrou a EOL Ventos de Santo Onofre IV ao Reidi. As quinze turbinas que serão implantadas na usina possuem uma potência total de 30 MW. O período de execução das obras está previsto para ser realizado entre 31 de outubro de 2016 e 1º de outubro de 2017. O custo do projeto chega a R$ 127,5 milhões, sem impostos.