Armazenamento no SE/CO pode recuar a 34,7% em julho, aponta ONS

No mês de julho a previsão é de que apenas no Sul ocorra aumento do nível dos reservatórios

O Operador Nacional do Sistema Elétrico projeta que o nível de armazenamento dos reservatórios no submercado Sudeste/Centro-Oeste para o final de julho deverá recuar dois pontos porcentuais em comparação ao que se esperava para o final de junho. A previsão é de que esse nível fique em 34,7% ante os 36,7% estimados para junho no início do mês. De acordo com os números mais atuais do operador, essa região que concentra cerca de 70% da capacidade de armazenamento de todo o país, está com nível de 38%.

De acordo com o Programa Mensal de Operação de julho, apenas na região Sul é que o país deverá registrar aumento no volume de água guardada ao final do mês que se inicia na próxima semana. A previsão para é de 70,9%, atualmente está em 61,51% sendo que a projeção do PMO de junho apontava para um armazenamento esperado de 55,2%. No Norte a expectativa de julho, revelada nesta sexta-feira, 26 de junho, é de que o armazenamento fique em 78%, já para o Nordeste é de 21,9%. Nessas duas regiões as previsões para o final de junho eram de 81,4% e de 24,6%, mas estão em 80,62% e 25,72%, respectivamente segundo o site do ONS com dados do dia 25 de junho.
Ontem o operador informou que a Energia Natural Afluente esperada para julho fique em 85% no SE/CO, 107% no Sul, 52% no NE e em 91% no Norte. Além disso, a carga projetada para o mês é de estabilidade ante julho de 2014, segundo apresentação feita no primeiro dia da reunião mensal do órgão com os agentes de mercado. Se essa previsão se confirmar deverá ser registrada a demanda de 61.090 MW médios, queda de 2,3% no SE/CO e de 1,6% no Sul. No sentido contrário a expectativa é de crescimento de 9,3% no NE e de alta de 2,6% no Norte.
O CMO médio continua rondando o teto regulatório do PLD estabelecido pela Aneel para este ano. Na semana operativa que começa neste sábado, 27 de junho, o valor continua equacionado no país em R$ 374,24/MWh à exceção do NE que teve um descolamento e ficou em R$ 378,05/MWh. Nessa região os patamares de carga pesada e média estão em R$ 385,69/MWh e a leve em R$ 364,64/MWh. Já nas demais regiões a pesada está em R$ 380,16/MWh, a media a R$ 379,62/MWh e a leve também a R$ 364,64/MWh.

Para checar a evolução do CMO e gerar gráficos com múltiplos parâmetros acesse o Monitor Energia disponível para assinantes do CanalEnergia Corporativo