Governo de Pernambuco lança programa para incentivar o uso da energia solar

Na primeira fase, serão disponibilizados R$ 5 milhões de recursos do Banco do Nordeste

O governo de Pernambuco lançou o programa PE Solar, com o objetivo de incentivar o uso da energia fotovoltaica por micro, pequenas e médias empresas pernambucanas. O programa assegura uma linha de financiamento específica para instalação de painéis fotovoltaicos. Na primeira fase, serão disponibilizados R$ 5 milhões de recursos do Banco do Nordeste. O decreto que institui o programa foi assinado na última sexta-feira, 29 de maio, pelo governador Paulo Câmara, em solenidade no Palácio do Campo das Princesas, em Pernambuco.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Thiago Norões, destacou que, em todo o Brasil, 500 usuários utilizam painéis fotovoltaicos para captação de energia solar. Com a implantação do PE Solar, Norões estima em atrair até 150 novos usuários, o que representaria um incremento de 30% na base de usuários no país inteiro. Além de incentivar o mercado de geração renovável no estado, a ideia é também ajudar o empresário a reduzir a conta de luz. “Se conseguirmos ampliar essa base, fazendo com que se usem muitos equipamentos de energia fotovoltaicas no estado, o próximo passo é começar a montar uma base de indústria no estado que possa fornecer esses equipamentos”, disse Norões.

Podem participar do programa as empresas que planejem produzir até 1.000 kW. A energia produzida será automaticamente consumida e o excedente será jogado na rede elétrica da Celpe. Esta, por sua vez, vai gerar um crédito a ser abatido na conta da empresa dentro de um prazo de até 36 meses.

O financiamento para o PE Solar prevê prazos de amortização de até 96 meses, com seis meses de carência, e cobrança de juros de até 8,24% ao ano para micro, pequenas e médias empresas, e de 5,3% ao ano para cooperativas e cooperados do setor rural. O pagamento em dia vai gerar bônus de adimplência, que reduzirá os juros para 7% e 4,5%, respectivamente. Portanto, o financiamento poderá cobrir até 80% dos custos do projeto, com limite de R$ 300 mil.

Os recursos iniciais do programa virão do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE). A linha de crédito atende a empresas do setor industrial, agroindustrial, comercial e de serviços, produtores rurais, cooperativas e associações. As indústrias de alimentos, moveleira, da cadeia têxtil e de confecções estão entre os Arranjos Produtivos Locais (APLs) considerados prioritários para aderirem ao PE Solar.