BID busca soluções inovadoras em eficiência energética

Projetos de eficiência e geração distribuída solar em prédios públicos serão compartilhadas com centenas de municípios, que passarão a contar com recursos do banco para investir em infraestrutura. Chamada está aberta até o dia 30 de abril

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) está recebendo até o dia 30 de abril, o registro de soluções inovadoras em iluminação pública, em especial para eficiência energética em prédios públicos e geração distribuída de energia solar. As soluções estarão disponíveis em uma plataforma para gestores públicos dentro do Programa de Investimento em Gestão de Infraestrutura Pública para Eficiência Municipal (PROGEINFRA), uma parceria entre o BID e o Banco do Brasil, que deve atender a mais de 200 municípios de até 500 mil habitantes.

Entre os tipos de soluções almejadas estão ferramentas de diagnóstico de gestão de uso de energia, capacitação em temas de eficiência energética, bens e equipamentos para promover o uso eficiente de energia, ou mecanismos de financiamento para projetos do tipo.

Podem se candidatar negócios que estejam estabelecidos formalmente no Brasil e no exterior, startups e scaleups, com patentes ou soluções baseadas em internet das coisas (IoT), inteligência artificial, Machine Learning, realidade virtual, cibersegurança, Blockchain, entre outras. Os negócios devem demonstrar capacidade de entrega com uma solução escalável e produto testado, assim como viabilidade técnica para a implementação. Todos os critérios estão disponíveis na página da chamada.

Com um mapa à disposição, a chamada espera facilitar a adoção dos municípios por soluções que possam incrementar a eficiência no uso de energia nos prédios públicos, a fim de promover um desenvolvimento mais sustentável e gerando economias no uso de recursos públicos. Os interessados devem se inscrever na página da chamada até o dia 30 de abril. O mapa estará disponível a partir do dia 30 de junho.

Inovação aberta na gestão pública

O BID vem promovendo mecanismos para que o setor público adote soluções mais custo-efetivas existentes no ecossistema brasileiro de inovação, especialmente no âmbito de sua carteira de projetos. Com sua iniciativa de inovação aberta, o Banco já sensibilizou a mais de 100 gestores públicos parceiros sobre o potencial da compra pública de inovação, e vem conduzindo pilotos dentro de programas de empréstimo.