Terminal de regaseificação de GNL recebe licença ambiental

Unidade planejada para a costa de Santa Catarina terá capacidade para distribuir 15 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia

A Golar Power conquistou a licença ambiental prévia para instalar um terminal de regaseificação de GNL na Baía Babitonga, no Estado de Santa Catarina. O Instituto do Meio Ambiente (IMA-SC) julgou procedentes as argumentações da empresa e suficientes as documentações apresentadas ao longo do processo. A licença confirma a viabilidade locacional quanto aos aspectos ambientais do Terminal Gás Sul (TGS). “A conquista dessa licença mostra que estamos no caminho certo, de ajudar a região Sul a conquistar sua independência enérgica para os próximos anos. É um momento de comemorar, e de agradecer aos órgãos envolvidos no licenciamento, sua seriedade e fluidez na condução durante todo o rito legal. Agora, começamos uma nova etapa de preparação para a obtenção de próximas licenças necessárias”, avalia Edson Real, diretor de negócios da Golar Power.

Durante o processo de obtenção da Licença, que aconteceu ao longo de 2018, a Golar Power realizou três audiências públicas, conforme exigência do órgão regulador, nas cidades de São Francisco do Sul, Garuva e Itapoá. Em todas elas, houve esclarecimentos gerais do projeto a entidades, associações representativas, ambientalistas e, principalmente, com lideranças comunitárias, que puderam apresentar suas dúvidas e expectativas com a chegada do TGS.

A Unidade Flutuante de Regaseificação de Gás Natural deverá ser instalada na Baía Babitonga, em São Francisco do Sul (SC), na região do Sumidouro, a 300 metros da costa. Conhecida como FSRU (Floating Storage and Regasification Unit), a unidade terá capacidade de fornecer 15 milhões de metros cúbicos do combustível por dia para fomentar o desenvolvimento de indústrias locais, como a de cerâmica, de metal-mecânica e de vidro, além de suprir a demanda de termelétricas nas regiões próximas ao empreendimento. A solução aumentará a segurança energética do Sul do país após o término de parte dos contratos do gasoduto Brasil-Bolívia (Gasbol) em 2019.