Banco do Brasil abre editais para locação de energia solar distribuída

Com foco na sustentabilidade, BB estima economizar R$ 20 milhões nas contas de luz de 96 agências das três unidades federativas

O Banco do Brasil abriu três editais de licitação para locação de usinas de energia fotovoltaica no Distrito Federal (DF) e nos estados de Goiás (GO) e do Pará (PA). O modelo prevê uso de recursos renováveis e sustentáveis para a construção, manutenção e distribuição de eletricidade. Com a medida, o Banco estima economizar R$ 20 milhões nas contas de luz de 96 agências das três unidades federativas. As chamadas públicas ocorrerão por pregão eletrônico na próxima terça-feira, 10 de setembro, às 8h30, para o Distrito Federal, e às 12h30 para o Pará. Já a de Goiás será realizada no dia seguinte, 11 de setembro, às 9h30.

O objetivo das CPs é a locação de sistema de geração distribuída por minigeração de energia elétrica de fonte fotovoltaica, de no mínimo 4GWh/ano no Distrito Federal e de 2GWh/ano, tanto para Goiás, quanto para o Pará. Pelo mecanismo, o BB só começará a pagar após o funcionamento das usinas. Toda carga gerada será direcionada para a rede geral e, posteriormente, recompensada nas faturas das dependências da instituição, a primeira do segmento público a realizar licitação no modelo de locação para geração distribuída.

Foi por Minas Gerais que o Banco realizou, em julho de 2018 e de 2019, suas duas primeiras licitações, com o objetivo de atender as necessidades de 200 agências do Estado. A primeira usina, localizada em Porteirinha, ficará pronta até o final deste ano, enquanto a segunda está em fase de contratação. Juntos, os dois contratos somam R$ 88,3 bilhões. A ação vai gerar economia de 58% nas tarifas de energia.