Investimentos em renováveis precisam dobrar, aponta Irena

Essa medida precisa ser adotada para que as metas do acordo climático de Paris possam ser alcançadas, ao mesmo tempo em que se deve redirecionar os investimentos na indústria de óleo e gás

A Associação Internacional de Energias Renováveis (Irena, na sigla em inglês) incita líderes a construir uma resposta às demandas climáticas baseadas nas renováveis. O caminho se dá pela duplicação dos investimentos nessa modalidade de geração como forma de evitar que a temperatura global média aumente em 2º celsius. Essa é uma das conclusões do relatório publicado pela entidade visando o encontro global UN Climate Action que é realizado a partir desta segunda-feira, 23 de setembro em Nova Iorque. Investimento anual para o clima na próxima década precisa passar de US$ 330 bilhões a US$ 750 bilhões por ano até o final da próxima década.
De acordo com a Irena, estamos apenas a 11 anos do limite dos efeitos das mudanças climáticas, investimentos anuais de US$ 4,3 trilhões em energia até 2030, apontou, é a resposta prática e mais fácil que está disponível para alcançar uma solução para o clima.
Segundo o relatório da entidade, mais de US$ 18,6 trilhões de investimentos planejados e que serão feitos na indústria de óleo e gás precisarão ser redirecionados para que as diretrizes do Acordo de Paris possam seguidas. Essa afirmação, lembra, foi reafirmada por um relatório especial do IPCC.
Apesar da urgência, destacou a Irena, o padrão de investimentos atuais mostra uma enorme incompatibilidade com o caminho necessário para assegurar um futuro climático seguro. Ademais, acrescentou, energias renováveis e eficiência energética em paralelo com uma eletrificação mais profunda, podem entregar 90% dos cortes de emissões apontados no Acordo de Paris.
O diretor geral da Irena, Francesco La Camera, avaliou que é possível limitar a mudança climática e atender a demanda crescente do mundo por energia por meio da aceleração do ritmo de implantação de energia renovável. E é somente essa forma de geração em um processo de transformação energética que permitirá alcançar as metas de 20230. “As fontes renováveis são a única forma disponível que temos para manter a linha limite de 1,5 graus celsius nos próximos 11 anos”, comentou ele.
No comunicado, o executivo destacou que é possível turbinar o crescimento econômico e entregar ao mesmo tempo um desenvolvimento sustentável com as renováveis. Além disso, ressaltou que há uma necessidade urgente de repensarmos as decisões de investimento no longo prazo para assegurar o caminho para o futuro sustentável. “Ao dobrar os investimentos em fontes renováveis temos uma grande oportunidade de aprimorar a saúde, criar empregos, entregar oportunidades econômicas e enfrentar as mudanças climáticas. Nenhuma outra solução é plausível”, afirmou ele.
Dados apresentados pela Irena apontam que a cada dólar investido na transição energética retorna de três a sete vezes ao aprimorar áreas como saúde, gastos com as mudanças climáticas e com a redução de subsídios.
A associação lançou ainda uma nova campanha que destaca a energia renovável como uma ação prática para solucionar a questão climática global. Em cooperação com o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (UNDP, na sigla em inglês) o tema é “Lidere a mudança. Isto é possível com as renováveis” que tem como meta informar o potencial das fontes renováveis e encorajar ações concretas para conter as mudanças climáticas.