Grupo Brasal negocia primeiro investimento no setor elétrico

Conglomerado pretende comprar 60% de participação na PCH Verde 2 (22,5 MW)

O Grupo Brasal, holding que atua em diversos segmentos da economia, está expandindo sua atuação para o mercado de geração de energia. Para tanto, criou a Brasal Energia e já negocia a compra de 60% de participação na PCH Verde 2 (22,5 MW).

A pequena central hidrelétrica comercializou 100% de sua garantia física no leilão A-6 de 2019, cerca de 12,9 MW médios, ao preço de R$ 234,20/MWh (lançe vencedor), pelo período de 30 anos.

O Grupo Amper, do empresário Armando Martins Oliveira, é o controlador da usina e estava em busca de um investidor com sinergia empresarial para somar recursos na implantação do projeto, que será construído no município de Rio Verde, em Goiás.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) aprovou a operação entre as duas empresas. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira, 6 de julho.

Segundo o Grupo Brasil, o negócio é visto como economicamente sólido, uma vez que engloba um contrato de fornecimento de 30 anos, com preço definido e “que no futuro sofrerá poucas intempéries de natureza econômica”, tratando-se de um investimento “bem planejado e executado”, com “mensuração bastante assertiva sobre o retorno a longo prazo”.

O valor da operação não foi revelado. A conclusão do negócio ainda depende de aprovação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O Grupo Brasal atua nos segmentos de produção e distribuição de bebidas, incorporação e construção imobiliária, concessionária de veículos, comercialização de combustíveis, geograficamente localizados nos estados de Goiás, Tocantins, Minas Gerais e Brasília. Por sua vez, o grupo Amper opera seis PCHs no estado do Mato Grosso.