BNEF: mercado de mini-redes pode ser solução para rurais e os fora da rede

Relatório aponta que falta de maturidade e financiamento do mercado são desafios

O Relatório do Mercado Global de Mini-Grids 2020, publicado pela pela Bloomberg New Energy Finance e pela e Sustainable Energy for All, mostra que as mini-redes podem desempenhar um papel crítico no fornecimento de energia para comunidades e empresas rurais, além da conexão de 789 milhões de pessoas no mundo que estão sem acesso. Porém o mesmo relatório aponta que esse mercado ainda não é maduro, mesmo sendo o menor custo para acesso à eletricidade em muitas áreas.

O estudo analisa tecnologias, negócios, regulamentos, financiamento, economia e avaliação de impacto na indústria. Ele analisa as políticas mais eficazes para o desenvolvimento de mini-redes no países, incluindo subsídios, licenciamento, tarifas e conexão à rede. O relatório inclui análise de estudo de caso em seis locais: o estado de Bihar na Índia, Indonésia, Nigéria, Filipinas, Tanzânia e Uganda. De acordo com Damilola Ogunbiyi, CEO da Sustainable Energy for Al, como consequência da covid-19, os países vão ter uma oportunidade única de recuperar e redefinir melhor suas economias enquanto aceleram o acesso à energia.

O relatório estima que 238 milhões de famílias precisarão obter acesso à eletricidade na África Subsaariana, na Ásia e nos países insulares até 2030 para alcançar o acesso universal. As mini-redes podem servir quase a metade desse total – um número estimado de 111 milhões de famílias. Isso exigirá investimento de capital estimado em US $ 128 bilhões entre 2020 e 2030. Segundo o relatório, as mini-redes são a opção mais adequada para muitas áreas de baixa e média densidade e podem atender a um número maior de famílias de baixa renda mais economicamente do que as opções alternativas.

Há dois grandes desafios que precisam ser superados para o deslanche das mini-redes. O primeiro é que os clientes rurais que precisam de acesso à eletricidade geralmente têm demanda limitada de energia e muitas vezes, não conseguem pagar. A outra é que há uma falta geral de políticas e regulamentos para apoiar as mini-grids. 14 financiadores dos Mini-Grids Funders Group aprovaram um total de US$ 2,1 bilhões até março de 2020, mas apenas 13% foram desembolsados. Esse baixo desempenho sugere que pode ocorrer atrasos significativos para obtenção de financiamento. Também há falta de financiamento comercial puro, já que o mercado de mini-redes precisa de escala e o histórico dos projetos dos desenvolvedores é limitado.

O relatório identificou 7.181 projetos de mini-redes na África Subsaariana, Ásia e pequenas nações insulares com alguns na América Latina, em março de 2020. Até 5.544 mini-redes estavam em operação, das quais 63% eram sistemas híbridos solares ou solares . As informações sobre esses projetos são armazenadas no banco de dados do projeto de mini-rede de código aberto, acompanhando o relatório. As mini-redes já instaladas hoje representam apenas uma pequena fração do total necessário para a eletrificação rural completa.