Furnas adota plataforma do Cepel para monitorar suas usinas

Programa para gerenciamento de ativos SOMA vai começar a ser implementado na UHE Simplício

Furnas resolveu implementar o sistema de monitoramento de ativos Soma em seu parque gerador, formado por 21 usinas hidrelétricas, duas termelétricas e um complexo eólico, que poderão utilizar a plataforma web do Cepel para maximizar o tempo e a qualidade de operação, bem como a vida útil dos seus equipamentos. O projeto começara em outubro na UHE Simplício, localizada em Além Paraíba (MG).

Segundo o pesquisador do Cepel, Hélio Amorim, a escolha da usina como pioneira é estratégica por ser uma UHE mais próxima do Rio de Janeiro, o que facilita o deslocamento e a logística para as viagens, comuns nesta fase do projeto, além de ter uma infraestrutura adequada para a instalação do programa e do IMA-DP, um sistema de monitoramento de descargas parciais  também desenvolvido pelo Centro.

Empregado em diversas usinas do país, como Itaipu, o Soma aplica tecnologias da Indústria 4.0 como Inteligência Artificial, Internet das Coisas e Digital Twins para traduzir dados de monitoramento em informações úteis para tomada de decisão por parte dos gestores de manutenção, avaliando diversas grandezas.

Hélio destaca como principais as grandezas mecânicas, elétricas, térmicas e de processo e estão relacionadas com os mais críticos modos de falhas dos equipamentos elétricos ou correlacionadas com as grandezas de processo, formando um conjunto de informações fundamentais para o diagnóstico eficaz do conjunto turbina-gerador.

Atualmente o programa também realiza o monitoramento online de descargas parciais, por meio da integração com o sistema IMA-DP nas UHEs Samuel (Eletronorte) e Balbina (Amazonas GT) e monitora vibrações e temperaturas na UHE de Funil (Furnas). Além disso, faz o prognóstico de vida de turbinas e caldeiras do Complexo Termelétrico de Jorge Lacerda (Engie Brasil).