Tarifa em Goiás ficará 4,28% mais cara

Índice médio foi amortecido pela Conta Covid, mas também sofreu impactos de Itaipu e do custo de transmissão

O reajuste anual da Enel Goiás vai resultar em aumento médio de 4,28%, com efeito médio a ser percebido pelos consumidores de 6,63% na alta tensão e de 3,36% na baixa tensão. As novas tarifas vão vigorar a partir de 22 de outubro.

O impacto poderia ser maior, mas foi amortecido em 7,84% com o uso do empréstimo da Conta Covid. Assim como as demais distribuidoras que tem cotas de Itaipu, a Enel sofreu o impacto da variação do dólar sobre o preço da energia da usina. O custo de compra de energia tem participação de 5,19% no índice de reajuste, enquanto as despesas com a transmissão, que também aumentaram, representam  3,91%.

Os encargos setoriais ficaram em 2,06%, a distribuição em 1,45% e foram retirados 2,21% em componentes financeiros que entrariam nos próximos 12 meses, além de 6,14% que estavam na tarifa dos 12 meses anteriores. A Enel GO atende cerca de 7 milhões de unidades consumidoras em 98,7% do estado de Goiás.