Investimentos da Neoenergia em transmissão somaram R$ 2 bi em 2020

Aportes foram 235% superiores a 2019, empresa energizou duas subestações e 359 km de linhas, com entregas antecipadas em até 25 meses

A Neoenergia investiu R$ 2 bilhões no segmento de transmissão em 2020. A companhia energizou duas subestações e 359 quilômetros de linhas de transmissão, com entregas antecipadas em até 25 meses. O investimento foi 235% superior a 2019, o que representa um aumento de R$ 1,3 bilhão em relação ao ano anterior.

Foram energizadas no ano passado as subestações Sobral (CE), Biguaçu (SC) e três trechos do projeto Dourados (MS), que representaram mais da metade dos 578 quilômetros da linha de transmissão. Todos os empreendimentos foram adquiridos no leilão realizado em abril de 2017 – lotes 4, 20, 22 e 27 – e adicionaram, ainda em 2020, R$ 79 milhões de RAP (Receita Anual Permitida), ou seja, 75,9% do total previsto.

A empresa possui outros três empreendimentos em operação e mais oito em construção, com destaque para a aquisição do lote 2 do leilão de dezembro de 2020. O novo projeto será o maior da companhia em extensão, com a construção de 1.091 quilômetros de linhas principalmente na Bahia, além de Minas Gerais e Espírito Santo. Ao todo, a empresa possui 1.038 quilômetros de linhas em operação e cerca de 6 mil quilômetros em construção.

Com a aceleração dos projetos, a Neoenergia afirma que tem boas previsões de antecipação, em relação ao business plan e aos prazos contratuais da Aneel para a entrega dos dois trechos finais da linha de transmissão Dourados e de outros empreendimentos que estão em construção.

Adquirida no leilão realizado pelo órgão regulador em dezembro de 2017, a linha tem, ao todo, 729 quilômetros cortando os estados de Tocantins, Maranhão, Piauí e Bahia e tem o objetivo de contribuir para o intercâmbio de energia entre as regiões Norte e Nordeste e escoar parte da produção da usina hidrelétrica Belo Monte (PA), que tem participação da companhia.

A linha de transmissão Santa Luzia (PB), relata, está em ritmo acelerado. O projeto será responsável por escoar a energia gerada pelo Complexo Eólico Chafariz, que está em construção na Paraíba e é um dos principais projetos da companhia em geração limpa.

Em razão da pandemia, a Neoenergia afirma que tem atuado na prevenção da contaminação dos colaboradores. Adotou em todas as obras um rígido protocolo de saúde e segurança, que prevê testagem dos profissionais, uso obrigatório de máscaras e intensificação das medidas de higiene pessoal e dos ambientes.

Para seguir com os processos de licenciamento ambiental necessários para o avanço dos projetos de transmissão adotou novas formas para obter as autorizações. Foram realizadas as primeiras audiências públicas virtuais do setor elétrico em parceria com o Ibama e órgãos ambientais estaduais. A digitalização contemplou os empreendimentos do Vale do Itajaí, adquirido no lote 1 do leilão 004/2018, e Lagoa dos Patos, arrematado no lote 14 do mesmo certame.

Para o lote 1, foram obtidas as licenças prévias de três subestações. No lote 14, as subestações Marmeleiros e Livramento e a linha de transmissão Santa Maria-Livramento já estão em construção. Os lotes 2 (Guanabara, no Rio de Janeiro) e 3 (Itabapoana, entre o Rio de Janeiro e Minas Gerais) do mesmo leilão também estão em processo de licenciamento, além do lote 9 (Rio Formoso, na Bahia) do leilão 002/2019.