Indústria Têxtil e de Bebidas se destacam no consumo de energia em abril

Segmentos registraram altas de 98,2% e 56,7% na demanda por eletricidade no mercado livre em relação ao ano passado, ficando atrás apenas do setor de automóveis

A indústria Têxtil, uma das mais afetadas durante a pandemia, registrou alta de 98,2% no consumo de energia elétrica em abril na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sendo essa a segunda maior alta entre os ramos de atividade acompanhados pelo levantamento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), atrás somente do segmento de automóveis.

A organização explica que o bom desempenho sinaliza uma retomada gradual da produção. “Em abril do ano passado o setor praticamente parou, mas ao longo dos últimos meses se adaptou ao momento atípico”, avalia Rui Altieri, presidente do Conselho de Administração da CCEE.

Os 15 ramos de atividade econômica acompanhados periodicamente pela CCEE se mostram cada vez mais resilientes diante do cenário adverso imposto pela disseminação da COVID-19 no Brasil. Outra das que mais avançaram no período foi a indústria de Bebidas, com crescimento de 56,7%.

Altieri também pondera que além de sinalizar retomada, o bom desempenho do mercado é um reflexo de que a produção se manteve em patamares mais elevados para abastecer a demanda dos consumidores que estão em casa, além do crescimento exponencial do segmento de delivery.

O estudo foi feito para as empresas que compram energia no mercado livre, comparando resultados com o mesmo período de 2020. Mesmo ao excluir o efeito da adesão de novas cargas dos setores têxtil e de bebidas neste ambiente de contratação nos últimos 12 meses, a demanda segue em alta, registrando 92,8% e 51,3% respectivamente.