Lucro da Cemig cresce 31% e chega a R$ 3,7 bi em 2021

Estatal mineira apresentou os melhores resultados financeiros de sua história, reportando ebitda de R$ 8 bilhões e receita líquida de R$ 33,6 bilhões

O ano de 2021 representou os melhores resultados da história para a Cemig, que reportou lucro líquido de aproximadamente R$ 3,7 bilhões, crescimento de 31% em relação ao ano anterior. O ebitda atingiu R$ 8 bilhões, maior valor nominal já apurado e 40% maior do que o de 2020. Todos os dados e demonstrações financeiras e operacionais foram apresentadas pela companhia na última terça-feira, 29 de março.

A receita operacional liquida movimentou R$ 33,6 bilhões, subindo 33,4% na comparação anual. Outros recordes foram para a maior geração de caixa e o plano de investimentos da empresa, que prevê R$ 22,5 bilhões até 2025. Enquanto isso o custo com despesas aumentou 31,5% para R$ 28,2 bilhões.

O fornecimento de energia teve alta de 12% e a qualidade do serviço prestado pela distribuidora melhorou, ao conseguir reduzir o indicador de qualidade DEC para 9,46 horas. Já o crescimento na base de consumidores em relação a dezembro de 2020 registrou taxa de 2,2%, com aproximadamente 188 mil clientes adicionados, totalizando 8,9 milhões de unidades faturadas.

Em 2021 foram também intensificadas as ações de cobrança, com a obtenção de maior eficiência no combate a inadimplência e aprimoramento das regras de provisionamento, buscando maior alinhamento às boas práticas adotadas pelo mercado. Todas as ações contribuíram e o índice de arrecadação atingiu 98,66%, maior patamar em cinco anos. As perdas totais reduziram e ficaram na média regulatória, somando 6.135 GWh.

O endividamento, medido pela relação dívida líquida/Lajida ajustado, é 1,2 vez, o que dá sustentação à implementação do programa de aportes para os próximos anos. “Reduzimos a nossa exposição cambial, com a recompra de US$ 500 milhões dos bonds com vencimento previsto para 2024, o que contribuiu também para um melhor perfil da nossa dívida”, diz o documento publicado no site da companhia.

Sobre o último trimestre de 2021, o lucro líquido diminuiu 24,3%, atingindo R$ 963 milhões, enquanto o Ebitda ajustado subiu 30,4%, ficando em quase R$ 1,5 bilhão. A receita operacional líquida chegou a R$ 9,6 bilhões, 33% maior do que no mesmo período de 2020.

O presidente da Cemig, Reynaldo Passanezi Filho, afirmou que os resultados são prova do fortalecimento pelo qual a empresa passa. “Mostram o fortalecimento em meio aos investimentos recordes e na gestão de passivos, com a recompra de US$ 500 milhões de títulos da dívida”, afirma Passanezi. Para este ano, a companhia almeja ampliar o valor dos recursos empreendidos no ano passado, alcançando R$ 3,97 bilhões.

No mercado de capitais, as ações preferenciais da Cemig registraram incremento de 11,7% em 2021, enquanto as ordinárias apresentaram a melhor rentabilidade entre os papéis do setor elétrico, com alta de 37,2%. No mesmo período, a Ibovespa caiu 11,9%. Além disso, atualmente, a estatal possui o melhor rating de sua história, segundo as agências de classificação de risco de crédito.