EDP Renováveis registra lucro líquido de € 66 milhões no primeiro trimestre

Valor foi parcialmente compensado por impostos mais altos, despesas financeiras e interesses minoritários mais elevados

A EDP Renováveis apresentou um lucro líquido de € 66 milhões no primeiro trimestre de 2022, uma alta de 75% em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com a companhia, este valor foi parcialmente compensado por impostos mais altos, despesas financeiras e interesses minoritários mais elevados, entre outros fatores.

No mesmo sentido, o EBITDA chegou a € 394 milhões, um aumento de 46% em relação ao 1T21 e o EBIT a € 232 milhões, ganhos de 83% em relação ao mesmo período do ano anterior, principalmente devido a um melhor desenvolvimento das receitas graças ao excelente desempenho operacional da carteira de produtos principais. As despesas financeiras líquidas aumentaram para € 74 milhões, principalmente afetadas pelo aumento da dívida, um custo médio da dívida mais elevado e a conversão cambial.

Com isso, as receitas totais da EDPR aumentaram para € 569 milhões (+27% numa base anual). Segundo a EDP Renováveis, isto deve-se ao impacto das adições de capacidade MW (+79 milhões numa base anual) que, juntamente com o aumento dos recursos renováveis (+20 milhões numa base anual), conversão cambial positiva e outros itens (+27 milhões numa base anual) conseguiram compensar o efeito negativo do preço médio de venda (-5 milhões numa base anual) do efeito do mix de carteira.

Já o rendimento líquido atingiu € 66 milhões, ganhos de 75% em relação ao 1T21, parcialmente compensado por impostos mais elevados, despesas financeiras e interesses minoritários mais elevados que ascenderam a € 61 milhões, como resultado do desempenho positivo da carteira de interesses minoritários.

“Estes resultados refletem o nosso sólido crescimento, bem como o quão bem posicionados estamos como líderes globais. Temos plataformas em todas as regiões-chave de crescimento, uma equipa mais forte e coesa e 50% da capacidade prevista no nosso plano estratégico 21-25 foi já assegurada. Estamos preparados para continuar a liderar a transição energética”, disse o CEO da EDP Renováveis, Miguel Stilwell d’Andrade.

No primeiro trimestre, a empresa acrescentou um total de 465 MW de capacidade eólica e solar, dos quais 450 MW foram totalmente consolidados, nomeadamente 46 MW na Europa, 3 MW na América do Norte e 401 MW na Ásia-Pacífico (APAC). O capital consolidado aumentou em 15 MW devido a novos projetos solares na APAC. De acordo com a empresa, este aumento de capacidade deveu-se principalmente à integração bem-sucedida dos ativos da Sunseap nesta região, que representam agora 3% da carteira da EDPR. Além disso, em março de 2022, a EDPR tinha 2,4 GW de nova capacidade em construção: 1.569 MW de energia eólica terrestre e 805 MW de energia solar.

Além disso, a EDP Renováveis também produziu neste período 9,2 TWh de eletricidade limpa (+14% numa base anual), evitando 6 mt de emissões de CO2. Esta evolução anual beneficia a capacidade acrescentada nos últimos 12 meses, juntamente com o reforço do recurso renovável.

Por fim, a EDP Renováveis atingiu um fator de carga de 35% (um ponto percentual superior ao do ano anterior), refletindo um índice de renováveis 2% superior ao fator de capacidade bruta médio previsto a longo prazo (+5 pontos percentuais numa base anual).