Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

Pelo menos em número de consumidores sem energia elétrica o terceiro ciclone extratropical desse inverno trouxe mais impactos. Mais de 1 milhão ficaram sem energia ao final da manhã de ontem no Sul do país. Nessa sexta-feira, 14 de julho, a última atualização mostra o Rio Grande do Sul ainda com 380 mil pontos sem luz, sendo 357 mil na área da CEEE Equatorial, a maioria na região sul do estado. Na noite de ontem, esse número chegou a 715 mil clientes.

No último balanço de hoje da RGE, a empresa contabiliza 23 mil clientes afetados na concessão, a maioria na região da serra. O volume anterior era de 33 mil. Já em Santa Catarina, a Celesc afirmou que restabeleceu a energia para mais de 260 mil UCs em 7 horas, restando ainda cerca de 75 mil devido à intensificação dos ventos, que podem chegar a 140 km/h.

Santa Catarina teve 335 mil unidades desenergizadas no pico da ocorrência, às 11h28 de ontem (Celesc)

No Paraná, a Copel informa que 94% do serviço de distribuição foi restabelecido, restando ainda mais de 43 mil clientes para a normalização, com o leste do estado sendo mais afetado. No pico dos temporais, mais de 700 mil consumidores ficaram sem luz no estado.

Se os efeitos do ciclone impactaram mais na distribuição de energia, pelo menos o número de mortes confirmadas é bem menor, com um óbito na cidade de Rio Grande e dois em São Paulo. No evento climático anterior, há quase um mês, foram 16 óbitos confirmadas apenas no Rio Grande do Sul.