Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

Em junho, o consumo nacional de energia elétrica foi de 42.563 GWh, uma alta 4,0% em comparação com mesmo mês de 2022, segundo dados da resenha mensal da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A classe residencial (+7,4%) puxou a alta, seguida pelas classes comercial (+6,3%) e industrial (+1,5%). Já no acumulado em 12 meses o consumo nacional registrou 516.079 GWh, alta de 2,1% em comparação ao período imediatamente anterior.

Com 15.594 GWh, a classe industrial expandiu em 1,5% seu consumo de eletricidade em junho. O Nordeste (+14,9%) e o Norte (+4,9%) puxaram a alta no consumo da indústria, enquanto o Sul (-1,7%), o Sudeste (-0,9%) e o Centro-Oeste (-0,7%) consumiram menos. Neste mês, 20 dos 37 setores monitorados expandiram seu consumo de eletricidade.

Já o consumo de energia elétrica das residências foi de 12.796 GWh em junho, avanço de 7,4% em relação ao mesmo mês do ano anterior. O que mais influenciou a alta do consumo foi o clima mais quente e seco, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, provocado pelo fenômeno climático El Niño. Nas demais regiões, o fenômeno contribuiu para o aumento das temperaturas médias. Além disso, o consumo foi favorecido também por um conjunto de fatores: programa de redução de perdas de distribuidoras, que resulta no aumento da base de consumidores; melhora dos indicadores de qualidade dos serviços das distribuidoras (DEC e FEC menores); as tarifas mais baixas de energia elétrica; aumento do rendimento médio dos trabalhadores; redução da taxa de ocupação e aumento. da venda de eletrodomésticos. Todas as regiões do País tiveram crescimento no consumo de eletricidade, sendo que o maior destaque foi a região Norte (+16,0%), seguida pelo Nordeste (+9,8%) e Sudeste (+6,5%).

A classe comercial registrou elevação de 6,3% no consumo em junho em comparação ao mês de junho de 2022, chegando a 7.607 GWh. O bom desempenho do setor de serviços, assim como temperaturas acima da média e menor quantidade de chuva para o mês favoreceram o aumento do consumo de energia elétrica da classe. De acordo com os últimos dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS/IBGE), o setor de serviços teve alta de 4,7% em maio de 2023 na comparação interanual. Com exceção do Centro-Oeste (-0,6%), todas as outras regiões apresentaram crescimento do consumo de energia elétrica em junho: Norte (+11,3%), Sul (+7,1%), Sudeste (+6,8%) e Nordeste (+5,9%). Entre os Estados, os maiores acréscimos ocorreram no Amazonas (+19,9%), Rondônia (+12,3%), Amapá (+12,0%), Maranhão (+11,3%), Roraima (+11,2%), Alagoas (+11,1%), Santa Catarina (+10,9%), Espírito Santo (+9,9%) e São Paulo (+9,3%). As únicas taxas negativas foram anotadas no Mato Grosso (-4,4%) e Mato Grosso do Sul (-0,9%).

Por fim, em relação ao ambiente de contratação, o mercado livre apresentou crescimento de 5,4% no consumo do mês, enquanto o consumo cativo das distribuidoras expandiu em 3,0% seu consumo.