Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A 14ª edição do Brazil WindPower cresceu de tamanho e ocupará mais de um pavilhão da São Paulo Expo com atrações em três arenas de conteúdo simultâneas, além de abrigar mais de 90 expositores e cerca de 30 patrocinadores. Sob o tema “política industrial verde e transição energética justa: o protagonismo brasileiro”, o evento organizado pelo Grupo CanalEnergia by Informa Markets, ABEEólica e GWEC será realizado de forma híbrida, entre 10h às 20h de 12 a 14 de setembro na capital paulista, quando especialistas versarão sobre o potencial de oportunidades da eólica em terra, mar e questões como demanda, incentivos, hidrogênio verde e outros temas prioritários que integram este novo ciclo político, econômico e de mercado no país.

Na abertura do evento estão previstos discursos de autoridades como Elbia Gannoum, presidente executiva da ABEEólica, Ben Backwell, CEO do GWEC e Bautista Rodríguez Sánchez, CEO Global da Ocean Winds. Na sequência do dia, que tem como tema central a transição energética, destaques para participações de representantes da BloombergNEF, Irena, EPE, AHK Rio, Cela e Absolar na Arena Onshore e na estreante Arena Offshore. Já na Arena O&M, os debates no primeiro dia serão propostos por membros da Neoenergia, Chesf, EDP, Vestas e Wartsila.

No segundo dia, que focará na política industrial verde, haverá um painel dedicado ao H2, com palestras de executivos da Siemens Energy, Atlas Agro, Fortscue e do Porto do Açu. Estima-se que o vetor energético pode representar entre 12% e 22% de toda demanda de energia no planeta até 2050. Um estudo da consultoria Mckinsey mostra o Brasil com um potencial de US$ 200 bilhões em novos investimentos no período, destinado a novas linhas de transmissão e mais unidades fabris do combustível e de estruturas associadas, incluindo terminais portuários, dutos e armazenagem.

Entre outros destaques do dia 13 estão assuntos como comercialização, armazenamento, transmissão, mercados de carbono, licenciamento ambiental e segurança do trabalho. Já o terceiro e último dia centrará em inovação, com um dos painéis mais aguardados sendo o de potencial de atratividade de investimento no Brasil, com participações do Santander, Itaú BBA, BNDES e Pan American Energy. Também contará com mesas sobre rotas de mercado, práticas ESG, o novo PD&I da Aneel e a regulação de novas tecnologias.

Na parte de conteúdo está previsto ainda o Windtalks, um ambiente destinado a palestras promovidas pelas empresas expositoras/patrocinadoras como Siemens Gamesa, Goldwind, LM Wind, Fugro e Alvarez & Marsal. Nele serão compartilhados estudos, cases de sucesso e demonstrações de soluções, tudo dentro de um espaço acessível a todos os participantes do evento. Já outra novidade no Brazil WindPower 2023 é o Prêmio Estande Sustentável para os expositores que demonstrarem as práticas mais sustentáveis na feira. Para participar, a empresa expositora deve preencher um questionário informando sobre as ações implementadas em seus respectivos espaços.

Potencial em terra e mar

A energia eólica brasileira é tida como uma das mais promissoras no mundo. No ano passado, o país bateu recorde de instalações, registrando mais de 4 GW segundo o Conselho Global de Energia Eólica (GWEC), ficando em terceiro lugar, atrás da China e dos EUA, e na frente de países como Alemanha, Suécia e Finlândia. No mundo todo, a capacidade da fonte aumentou em 78 GW em 2022, alcançando um total de 906 GW. A expectativa é que este ano as novas instalações superem 100 GW e nos próximos cinco anos mais de 680 GW.

Atualmente, o Brasil possui 916 parques distribuídos em 12 estados. O Rio Grande do Norte é o principal estado produtor, com mais de 7,8 GW entre 248 instalações. Mas esse potencial tende a crescer rapidamente, já que o setor espera a aprovação do PL 576/2021, que regulamenta a atividade de energia eólica offshore. Conforme o “Roadmap Eólicas Offshore 2035” da EPE, as instalações em mar podem resultar em aproximadamente 700 GW.

Serviço:
Brazil Windpower
Data: 12 a 14 de setembro de 2023
Endereço: São Paulo Expo
Info: https://www.brazilwindpower.com.br/pt/home.html