Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

O ministro de Minas de Energia, Alexandre Silveira, revelou após a posse de Thiago Prado na presidência da Empresa de Pesquisa Energética, na manhã desta sexta-feira, 29 de setembro, que vai pedir para acelerar até o fim do ano a conclusão de estudos de mais um lote de possíveis linhas de transmissão que precisam ser reforçadas. Estão previstos para 2024 dois leilões de LTs, em 15 de março e 13 de setembro. Se confirmado seria um terceiro leilão a ser realizado no ano que vem, mesmo volume previsto para este ano, mas que por pedido de investidores ficou em dois apenas em função de volumes de aportes elevados. “Desafiei a equipe. EPE  Aneel e ONS serão fundamentais para isso”, explicou.

De acordo com o ministro, os investimentos em transmissão robustecerão o sistema brasileiro dando as condições para propiciar o desenvolvimento econômico e a transição energética, além de gerar emprego e renda. “Não perderemos essa janela de oportunidades”, afirmou.

Na última terça-feira, o presidente Lula participou da cerimônia de assinatura dos contratos dos vencedores do último leilão de LTs, realizado em 30 de junho. No certame todos os lotes foram vendidos e o deságio sob a RAP máxima foi de 50,97%

Silveira reforçou o protagonismo do Brasil na transição energética, mas que quer uma trajetória diferente como a que ocorreu com a fonte solar. O Brasil deslanchou nos investimentos  e tem grande potencial, mas a cadeia industrial nacional não consegue se sobrepor à chinesa, com os módulos asiáticos dominando o mercado.