Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A seca que atinge a região amazônica neste ano tem recebido a atenção do governo federal. Segundo dados do Ministério de Minas e Energia, apesar da situação, mais de 160 sistemas isolados abastecidos por meio de geradores movidos a diesel estão com estoque suficiente de combustível por pelo menos mais 30 dias. A informação foi divulgada pelo ministro, Alexandre Silveira, que acompanha uma comitiva liderada pelo vice-presidente Geraldo Alckmin e que desembarcou em Manaus nesta quarta-feira, 4 de outubro, para verificar os impactos nas comunidades e conversar com lideranças locais, empresários e representantes da sociedade civil. Um vídeo com respostas à imprensa foi divulgado.

No início da semana a situação levou à suspensão momentânea das atividades da hidrelétrica de Santo Antônio (RO) devido à baixa vazão do Rio Madeira. A decisão foi tomada pela SAE em alinhamento com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Em comunicado, a empresa afirmou que os níveis do rio estão 50% abaixo da média histórica. A UHE é uma das maiores geradoras do país, com 50 turbinas e mais de 3,5 GW de potência.

Na tarde de ontem, subiu para 23 o número de municípios em situação de emergência no Amazonas. O balanço consta de boletim do Comitê de Intersetorial de Enfrentamento à Situação de Emergência Ambiental. Dos 62 municípios, 35 estão em situação de alerta, dois em atenção e dois em normalidade. Em Manaus, a vazante do Rio Negro vem atingindo volumes baixíssimos nos últimos dias. Queimadas no entorno da capital chegaram a cobrir a cidade de fumaça, e a prefeitura antecipou o fim do ano letivo das escolas ribeirinhas do rio.

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa), além do fenômeno El Niño, que aumenta a temperatura das águas superficiais do oceano na região do Pacífico Equatorial, o aquecimento do Atlântico Tropical Norte, logo acima da linha do Equador, inibe a formação de nuvens, reduzindo o volume de chuvas na Amazônia.

*Com informações da Agência Brasil