Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico autorizou a retomada da disponibilidade das usinas termelétricas Termonorte I e II, em Porto Velho (RO), que serão acionadas para complementar o atendimento aos estados do Acre e de Rondônia, no horário de maior demanda de energia. O CMSE também sugeriu à Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico o reconhecimento de situação de escassez hídrica na bacia do rio Madeira, que levou ao desligamento das máquinas da hidrelétrica de Santo Antônio e do linhão que escoa energia para os centros de carga do Sudeste.

As duas medidas propostas pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico foram aprovadas na reunião mensal desta quarta-feira, 4 de outubro. O ONS alertou que as previsões meteorológicas não indicam melhora de cenário nos próximos dias na região amazônica.

A declaração da situação de escassez vai permitir, segundo o operador, a adoção de medidas urgentes para garantir o suprimento aos estados afetados pela seca em bacias da região. A estiagem tem afetado de forma mais grave os estados do Acre, Rondônia, Roraima, Amazonas e Amapá.

O Ministério de Minas e Energia já havia antecipado a formação de estoques de óleo diesel para abastecimento das térmicas dos sistemas isolados por um período de 30 dias. A indicação que vinha sendo dada é de que poderiam ser acionadas mais térmicas de forma excepcional, para atendimento a localidades específicas.

Por decisão do CMSE, a Secretaria Nacional de Transição Energética e Planejamento do MME vai coordenar um estudo, em parceria com o ONS e a Empresa de Pesquisa Energética, sobre resiliência climática do sistema elétrico dos estados de Acre, Rondônia e Amapá. A medida tem como objetivo ampliar a capacidade de atendimento em cenários futuros de escassez hídrica ou de cheias extraordinárias na bacia do Madeira, o que inclui, eventualmente, expandir o parque de geração.

O CMSE aprovou ainda a terceira revisão do Plano de Substituição do Parque Gerador do Sistema Elétrico de Roraima, considerando as condições atuais e futuras de atendimento. O ONS explicou em nota que a atualização do plano acelera o processo de entrada em operação das usinas vencedoras contratadas em leilão da Aneel em 2019, assim como a integração de Boa Vista ao Sistema Interligado Nacional.

Extremos

O país tem enfrentado situações opostas, com excesso de chuvas na Região Sul e estiagem severa na Amazônia. As temperaturas elevadas em todo o Brasil no mês passado levaram a um crescimento recorde da demanda, que atingiu no dia 26 de setembro 93.949 MW.

O cenário, no entanto, deve permanecer confortável até março de 2024, de acordo com o ONS, com eventual despacho termelétrico para atendimento à ponta de carga. As chuvas ficaram acima da média em setembro nas bacias do Sul e abaixo da média histórica nas demais demais bacias do Sistema Interligado Nacional.

O armazenamento atingiu aproximadamente 73% ao final do mês de setembro no SIN. E outubro deve fechar com 63,1% da Energia Armazenada Máxima, para o cenário inferior, e 66,2% da EARMáx para o cenário superior.