Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Vale está investindo entre R$ 20 bilhões a R$ 30 bilhões para o desenvolvimento de soluções de descarbonização, envolvendo a eletrificação de frotas corporativas, o processo produtivo de minérios em pelotas, além de soluções em hidrogênio. “Estar no Brasil abre muito potencial para nós, de fazer um movimento importante de liderança no setor, com metas de descarbonização de escopo 3”, afirmou o CEO da companhia, Gustavo Pimenta, durante apresentação no Seminário de Investimentos, Governança e Aspectos Jurídicos da Previdência Complementar dessa quinta-feira, 5 de outubro, organizado pela Previ, no Rio de Janeiro

O executivo classificou as emissões indiretas com a cadeia de fornecedores como um dos maiores desafios do setor siderúrgico, que emite globalmente cerca de 8% dos lançamentos de CO2 à atmosfera. Ressaltou também o produto de aglomerado de minérios em pelotas como uma criação inovadora da empresa, a qual agrega valor e coloca-o em outros mercados consumidores a custos competitivos, como na China.

“Uma pelota produz 80% a menos de CO2 e não consome água, com um consumo 10% abaixo na ponta final do cliente”, destacou, pontuando que os produtos de baixa intensidade de carbono irão oportunizar um fator premium ao portfólio da mineradora no futuro.