Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Aliança Financeira de Glasgow para Net Zero (GFANZ) anunciou a formação da sua Rede para América Latina e Caribe e a criação de um Conselho Consultivo sênior para impulsionar o progresso ambiental na região. A organização é considerada a maior coalizão mundial de instituições financeiras comprometidas com a meta de descarbonização até 2050, trabalhando com instituições financeiras locais para acelerar os esforços visando desbloquear o financiamento climático.

O escopo inclui apoio a instituições financeiras no planejamento da transição, na implementação de metas, no reforço de capacidades e no envolvimento com os legisladores em ações para acelerar a mobilização de capital. Segundo a GFANZ, a América Latina e o Caribe contribuem com menos de 10% das emissões globais de gases com efeito de estufa, mas são localidades mais vulneráveis a um conjunto diversificado de riscos relacionados com o clima, conforme aponta a United Nations Economic Commission for Latin America and the Caribbean (CEPAL).

As soluções climáticas envolvem desde florestas tropicais primárias da região até os minerais críticos, cruciais para tecnologias de energia limpa. Além disso existe o potencial de expansão da conservação da biodiversidade, por meio da agricultura de baixo carbono e energias renováveis, incluindo eólica, solar e geotérmica, visando melhorar a segurança, o acesso e a sustentabilidade energética.

A Rede será orientada por um Conselho Consultivo, composto por figuras importantes de clima e de finanças da região, que fornecerá orientação estratégica e conhecimentos especializados na supervisão do plano de trabalho e dos resultados da Rede. O trabalho será conduzido por um membro sênior do Secretariado da GFANZ, Alan Gómez, como Diretor Geral. Anteriormente, ele liderou iniciativas relacionadas ao clima para o Citibanamex e foi membro da Task Force on Climate-related Financial Disclosures (TCFD).

Patricia Espinosa Cantellano, ex-secretária executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC) e ex-secretária de Relações Exteriores do México, atuará como presidente do Conselho Consultivo da GFANZ para a América Latina e Caribe, e Joaquim Levy, diretor de Estratégia Econômica e Relações com o Mercado do Banco Safra e Ex-Ministro da Fazenda do Brasil, será o Vice-Presidente.

Outros membros serão Daniel Becker, Presidente da Federação Latino-Americana de Bancos (FELABAN) e Diretor Geral do Grupo Financiero Mifel; María Eugenia Brizuela de Avila, ex-ministra das Relações Exteriores de El Salvador e ex-presidente do Banco Salvadoreño; Olga Cantillo, Presidente Executiva da Bolsa Latinoamericana de Valores (Latinex) e ex-Presidente da Federação Ibero-Americana de Bolsas de Valores (FIAB); Valentin Galardi, Presidente da Associação Argentina de Fundos Mútuos e Chairman da Federação Ibero-Americana de Fundos de Investimento; Ilan Goldfajn, Presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento; Juan Carlos Mora Uribe, CEO do Bancolombia; Gonzalo Muñoz, campeão climático da ONU COP25; Racquel Moses, CEO, Caribbean Climate-Smart Accelerator e Embaixadora Global da Race to Zero.

O Conselho Consultivo verá a adesão de mais especialistas ao longo do ano para uma representação equilibrada na América Latina e no Caribe e visando refletir as diversas perspectivas das economias da região. O esforço para apoiar o desenvolvimento de financiamento alinhado ao net zero, com foco nos países em desenvolvimento, é compartilhado pelo parceiro global da GFANZ, a Iniciativa Financeira do Programa Ambiental das Nações Unidas (UNEP-FI) e os Princípios para o Investimento Responsável (PRI), e este trabalho será feito em estreita coordenação com eles.