Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Isa Cteep já deixou claro que não irá participar do próximo leilão de transmissão, marcado para dezembro desse ano, mas avalia a participação dos leilões de 2024. “Já tomamos a decisão e não participaremos do leilão de dezembro, onde haverá uma linha de corrente contínua que vai conectar o nordeste ao centro sul. Quanto aos de 2024, a gente não tem nenhuma decisão tomada agora e vamos seguir buscando crescimento sustentável e respeitando a prática de pagamento de proventos e a disciplina financeira. Tomaremos essa decisão ao longo do ano que vem”, disse o CEO da companhia, Rui Chammas.

Durante teleconferência realizada com investidores nesta terça-feira, 31 de outubro, o executivo comentou que quando receberam o lote 1, referente ao leilão de junho desse ano, não aceitaram de uma maneira automática. “Nós fizemos muitos estudos porque para nós a concentração de dois megas projetos como lote 1 e o 7 poderia trazer riscos e uma rentabilidade não adequada. Então nós estamos tendo um trabalho para garantir que os dois investimentos acontecessem e com isso nós vamos continuar sendo muito rigorosos antes de entrar em qualquer leilão”, explicou.

Ele ainda ressaltou que é muito fácil ganhar o leilão, porém é difícil executar a obra dentro da rentabilidade esperada e depois operar e manter esse ativo por 30 anos de forma a trazer resultado para os acionistas.

Quando questionado sobre a possível venda da participação da Eletrobras na Isa Cteep, Chammas pontuou que a Eletrobras tem hoje um pouco mais de um terço das ações da companhia, principalmente ações de preferenciais. “Nós não temos nenhuma opinião a respeito do que ela possa vir fazer eventualmente sobre suas ações e isso é uma decisão da acionista que não nos cabe comentar de fato”, disse.

Sobre a questão de dividendos, a companhia pretende fazer uma divulgação de proventos no mês de dezembro, seguindo a atual prática de dividendo de pagar no mínimo 75% do lucro líquido regulatório. A CFO da Isa Cteep, Carisa Cristal, comentou que a companhia está fazendo isso no fim do ano para maximizar e otimizar a relação entre JCP e dividendos de forma a potencializar a capacidade de pagamento de dividendos para os acionistas.

Resultados financeiros

A Isa Cteep registrou um lucro líquido de R$ 474,5 milhões no 3T23, uma alta de R$ 87,8 milhões (+22,7%) frente aos R$ 386,7 milhões registrados no 3T22. O lucro líquido acumulado no ano, também registrou crescimento de 81,7%, saindo de R$ 573,3 milhões para R$ 1 bilhão, incremento de R$ 468,4 milhões.

O EBITDA da companhia no 3T23, totalizou R$ 876,6 milhões, com incremento de R$ 133,2 milhões (+17,9% vs 3T22). A margem EBITDA, encerrou o trimestre em 80,2% (-0,6 p.p. vs 3T22). Já a receita operacional líquida atingiu R$ 1 bilhão no 3T23, uma alta de 18,8% em relação ao 3T22.

O resultado financeiro Isa Cteep foi uma despesa de R$ 149,4 milhões no 3T23, ganhos de R$ 24,0 milhões (+19,1%) frente aos R$ 125,4 milhões registrados no 3T22. O resultado reflete, principalmente: crescimento das receitas financeiras em R$ 24,7 milhões; despesas com juros e encargos financeiros, que apresentaram alta de R$ 24,3 milhões (14,1%) no 3T23; e a evolução da inflação medida pelo IPCA, indexador de 50,9% da dívida da Companhia, que, no 3T23, foi de 0,3% (vs. -0,4% no 3T22).

Para finalizar, a companhia e suas controladas investiram R$ 528,4 milhões no 3T23, aumento de R$ 57,5 milhões em relação ao 3T22 (+12,2%). Segundo a empresa, a variação é explicada pelo investimento de R$ 307,1 milhões em reforços e melhorias, volume de investimento recorde neste tipo de operação em um único trimestre. Este aumento foi compensado parcialmente pela redução do investimento em projetos greenfield que, em 2022, possuía mais projetos em fase final de construção e, portanto, recebiam mais aportes de recursos do que no 3T23.