Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Engie Brasil Energia realizará a captação de R$ 2,5 bilhões por meio da emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, em até cinco séries. Serão ofertadas 2,5 milhões desses títulos ao valor de R$ 1 mil. Segundo comunicado da geradoras, o montante total da emissão poderá ser aumentado em até 25%, caso haja exercício da Opção de Lote Adicional. Ou seja, é possível de alcançar pouco mais de R$ 3,1 bilhões.

A empresa explica que as Debêntures da primeira, segunda e da terceira série contarão com o incentivo fiscal previsto nos artigos 1º e 2º da Lei nº 12.431, de 24 de junho de 2011. Os titulares poderão fazer jus aos benefícios tributários previstos. Os recursos líquidos obtidos pela companhia nessas séries serão utilizados exclusivamente para reembolso e/ou pagamento futuro de gastos, despesas ou dívidas relacionadas à implementação e desenvolvimento de projetos.

Já os recursos relacionados às duas outras séries serão utilizados para a formação de capital de giro para financiar a implementação do plano de negócios. A taxa final da remuneração deverá ser determinada após o book building, bem como a quantidade e os volumes finais da emissão e sua alocação em cada uma das séries.

Rating
A agência de classificação de risco Fitch Ratings atribuiu Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA(bra)’ à proposta da Engie. As primeiras três séries totalizarão até R$ 1,5 bilhão, serão debêntures incentivadas, com vencimentos em 2033, 2038 e 2028, respectivamente, e destinadas a investimentos. As duas outras terão vencimento em 2028 e 2030.

Em nota, a Fitch disse que classifica a Engie Brasil com o Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA(bra)’ e com os IDRs (Issuer Default Ratings – Ratings de Inadimplência do Emissor) em Moedas Estrangeira e Local ‘BB+’ e ‘BBB-’, respectivamente, todos com Perspectiva Estável. E mais, que os ratings da Engie Brasil refletem sua posição no mercado como a segunda maior empresa de geração de energia elétrica do país, com significativa e diversificada base de ativos e eficiência operacional.

Na análise da empresa, o perfil de crédito da companhia de geração também se beneficia de um sólido perfil financeiro, com histórico de robusta geração de fluxo de caixa operacional, índices conservadores de alavancagem e forte flexibilidade financeira, o que deve permanecer mesmo com o plano de elevados investimentos, que se estenderá de 2023 a 2025.

O IDR em Moeda Estrangeira é limitado pelo Teto-país do Brasil, ‘BB’, enquanto o ambiente operacional brasileiro limita o IDR em Moeda Local. A Perspectiva Estável do IDR em Moeda Estrangeira reflete a do rating soberano do Brasil, ‘BB’.

A aquisição de ativos da Atlas, anunciada em outubro de 2023, exigirá maior disciplina da Engie na gestão da sua alavancagem. O desembolso deverá ser sustentado por uma combinação de saldo de caixa e emissão de dívida – incluindo a série institucional da 11ª primeira emissão de debêntures.

A Fitch estima que a aquisição resultará em alavancagem financeira líquida de 3,4 vezes em 2024 e 2025, frente a 2,4 vezes em 2023, ainda abaixo do gatilho de 3,5 vezes para rebaixamento do IDR em Moeda Local.  O índice dívida líquida/EBITDA deve se reduzir para patamares próximos a 3 vezes a partir de 2026.