Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Alupar registrou Lucro Líquido Regulatório de R$ 163,4 milhões, um crescimento de 11,6% em relação aos R$ 146,4 milhões reportados no mesmo período de 2022. O resultado Ebitda Regulatório (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) totalizou R$ 662,4 milhões, uma alta de 5,3% em relação aos R$ 628,8 milhões registrados no terceiro trimestre de 2022. Já no método de contabilização internacional, conhecido como IFRS, o Ebitda totalizou R$ 455,1 milhões e o Lucro Líquido atingiu R$ 100 milhões.

Entre os destaques do período estão dois projetos de transmissão na América Latina, com investimento estimado de cerca de US$ 80 milhões. Em agosto, uma licitação no Peru, marcando a entrada nessa setor naquele país onde já atua em geração. O segundo projeto está no Chile, marcando o retorno da Alupar ao país de onde saiu em 2016.

O Conselho de Administração da Companhia aprovou a distribuição de dividendos no montante de R$ 36,6 milhões relativos aos resultados do terceiro trimestre, totalizando, junto com os dividendos intercalares do primeiro e do segundo trimestre, R$ 109,7 milhões.

A Alupar é uma holding de controle nacional privado que atua no segmento de transmissão de energia elétrica, através da concessão de 32 sistemas de transmissão, no Brasil, Colômbia, Peru e Chile com extensão total de 8.154 km de linhas de transmissão, assim como no segmento de geração de energia elétrica através de concessões/autorizações de usinas hidrelétricas, eólicas e fotovoltaicas, que totalizam 821,5 MW de capacidade instalada, no Brasil, Peru e Colômbia.