Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

Os principais players de petróleo e gás têm 8% da participação de mercado da anunciada capacidade global líquida de produção de hidrogênio de baixo carbono, o que equivale a 102,6 milhões de toneladas por ano, de acordo com a análise mais recente da Wood Mackenzie. Os players estão focados em operacionalizar projetos de pequena escala antes de 2030, para preparar o caminho para a expansão industrial na próxima década.

No cenário base da Wood Mackenzie, a produção global de hidrogênio de baixo carbono crescerá de 1 Mtpa em 2023 para 200 Mtpa até 2050, conforme descrito nas suas Perspectivas de Transição Energética publicadas em setembro deste ano. De acordo com Bridget van Dorsten, analista sênior de pesquisa da Wood Mackenzie, os grandes players podem ter hoje apenas uma parte modesta do gasoduto de H2 de baixo carbono, mas um provável conjunto de projetos não anunciados poderá mudar o cenário rapidamente.

Para ela, o setor também está maduro para consolidação, com mais de 750 participantes em projetos anunciados. A expectativa é que a participação de mercado das grandes empresas aumente à medida que o hidrogênio de baixo carbono atinge um ponto de inflexão de investimento.

Entre as grandes empresas, Equinor, BP e Shell detêm as maiores participações na anunciada capacidade de hidrogênio de baixo carbono. A Equinor ocupa o primeiro lugar em capacidade de produção total anunciada, em grande parte devido ao seu projeto H21, enquanto a ExxonMobil ocupa o primeiro lugar em capacidade de desenvolvimento avançado.

As grandes empresas construíram mais exposição ao azul, com uma quota de mercado de 23%, à medida que procuram alavancar áreas de vantagem competitiva. Os projetos de hidrogênio azul proporcionam uma escala inicial para o mercado de hidrogênio de baixo carbono, em comparação com implantações de eletrolisadores muito menores no espaço, e os maiores têm experiência existente em instalações de reforma de metano.

Os principais players possuem apenas 5% do mercado de H2V, com os maiores da Europa na vanguarda. As ‘Euro Majors’ alavancarão os seus portfólios de energia renovável num esforço de integração com instalações de H2hidrogénio verde. As principais empresas dos EUA não têm exposição ao H2verde, refletindo a sua escolha estratégica de não participar na energia eólica e solar até a data.

Segundo Van Dorsten, o setor ainda está numa fase muito inicial e as principais têm tempo para ajustar as suas carteiras. A expectativa é que o setor entre numa fase de consolidação assim que houver melhor visibilidade na expansão comercial.