O preço da energia solar no Brasil caiu 5% no primeiro trimestre de 2024, em comparação com o quarto trimestre de 2023. O novo valor médio é de R$ 2,76/Wp, o menor preço já registrado desde o início do indicador Radar, estudo que acompanha a evolução dos preços da energia solar no país da Solfácil.

A queda foi motivada pela diminuição do preço do polissilício, principal matéria-prima na produção de painéis solares. Embora o preço do material não tenha diminuído significativamente no primeiro trimestre, os impactos das quedas significativas de 2023 ainda são percebidos nos preços dos projetos.

A redução do preço médio da energia solar foi observada em todas as regiões do país. O Centro-Oeste se destacou como a região com o menor preço médio, apresentando R$ 2,67/Wp, o que representa uma queda de 3,61%. O Sudeste é a segunda região mais econômica do país para a instalação de energia solar, com uma redução de 4,86% no preço médio, que agora é de R$ 2,74/Wp, empatado com o Nordeste, que também apresenta um custo médio de R$ 2,74/Wp e teve uma queda de 6,16% no período. A Região Sul tem a média de R$ 2,82/Wp, com uma redução de 5,69%. A região oferece condições geográficas vantajosas para investimentos em energia solar. A região Norte, por outro lado, é a que apresenta o preço médio mais elevado, atingindo R$ 2,93/Wp com uma queda de 3,93%.

O estudo da Solfácil também revelou os estados com menores custos para ter energia solar. Amapá e Rondônia continuam sendo os estados com os menores custos para instalação de energia solar residencial, seguidos por Santa Catarina, Amazonas e Paraná. Já o Acre é o único estado que não apresentou queda nos preços no período analisado. As maiores reduções no trimestre foram observadas no Distrito Federal. O estudo ressalta que, para projetos menores de até 4 kWp, a diferença de preço entre as regiões pode ser maior, chegando a R$ 0,49 por Wp acima da média nacional.

A Solfácil também analisou a escolha de marcas de inversores em diferentes regiões do Brasil. A Growatt segue como a principal marca de inversor do Brasil, de acordo com dados do 1º trimestre de 2024 do estudo, mas perde influência para Deye. Por outro lado, a Goodwe ganha espaço em projetos menores, enquanto Solplanet cresce em usinas maiores.