Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Petrobras informou em comunicado ao mercado que assinou com a Yara Brasil Fertilizantes um Master Agreement como próximo passo nas negociações para estruturar uma potencial parceria de negócios no segmento de fertilizantes, produção de produtos industriais e descarbonização da produção, em linha com o Memorando de Entendimentos assinado pelas partes em 29 de fevereiro de 2024.

O acordo assinado é de caráter não vinculante e está alinhado à revisão das diretrizes estratégicas da companhia aprovadas no ano passado, pelas quais o investimento na produção de fertilizantes voltou a fazer parte do portfólio da Petrobras, conforme Plano Estratégico 2024-28+. A Yara está presente em mais de 60 países, com mais de 17 mil colaboradores. No Brasil, a Yara está posicionada em todos os principais polos agrícolas.

A presidente da estatal, Magda Chambriard, participou do Foro Empresarial Bolívia – Brasil, em Santa Cruz de La Sierra. Ela destacou o interesse da Petrobras no incremento da produção de gás operada pela companhia na Bolívia e no aumento do volume de importação do insumo para o Brasil. Com maior oferta de gás para o mercado brasileiro, a preços acessíveis, a presidente espera viabilizar projetos de fertilizantes e de petroquímica previstos no Plano Estratégico 2024 – 2028.

Segundo ela, o mercado consumidor brasileiro demanda 50 milhões de m3 de gás natural por dia. Ela acredita que esse mercado pode ser triplicado, alcançando 150 milhões de m3 diários. Para a presidente da estatal, esse gás servirá como insumo para a indústria petroquímica e para a produção de fertilizantes.

A presidente mencionou as perspectivas para o incremento da produção na Bolívia. A Petrobras, que já foi responsável por 60% da produção de gás natural boliviana, opera hoje 25% do total produzido no país. Na área de San Telmo Norte, no estado de Tarija, a Petrobras Bolívia pretende perfurar em 2025 um poço exploratório por meio do qual vai investigar o potencial das reservas de gás natural. A subsidiária planeja investir cerca de US$ 40 milhões para perfuração desse poço, caso obtenha licença ambiental.