Após apagão no Amapá, Aneel aprimora comunicação de ocorrências graves

Em 2020, estado da região Norte ficou sem energia por vários dias

A ocorrência de novembro de 2020 que deixou grande parte do estado do Amapá sem energia durante vários dias fez com que a Agência Nacional de Energia Elétrica levasse para consulta pública o aprimoramento dos procedimentos para a comunicação à agência de ocorrências graves e indisponibilidades prolongadas de instalações de transmissão. O aprimoramento seria para o Submódulo 6.2 (Operacional) dos Procedimentos de Rede, denominado “Análise da operação, ocorrências e perturbações e acompanhamento das providências “O objetivo é o de tornar mais forte a resposta do Sistema Interligado a eventos imprevistos com grande impacto para a população. Durante 22 dias, 13 das 16 cidades amapaenses ficara sem energia elétrica após uma explosão seguida de incêndio na SE Macapá.

A consulta teve a participação de agentes como Taesa, Cemig, Chesf, BMTE, CGT Eletrosul e Operador Nacional do Sistema Elétrico. A Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão elogiou a participação na consulta do ONS. O órgão propôs um rearranjo textual para inserir um subitem e não se criar um novo item do Relatório de Acompanhamento Mensal de Triagem de Ocorrências e Perturbações no Sistema Interligado Nacional.

No novo subitem, o ONS encaminha para a fiscalização dos serviços de Eletricidade da Aneel detalhes dos itens do Relatório de Acompanhamento Mensal de Triagem de Ocorrência no SIN que se referirem a equipamentos da rede de operação indisponíveis a mais de um mês ou com previsão de retorno a mais de um mês; a Fase reserva indisponível a mais de um mês ou com previsão de retorno no mesmo período; a equipamento funcionando com fase reserva a mais de um mês ou com previsão de retorno e prazo igual e Indisponibilidade de longa duração encerradas no mês.