Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Ocean Winds e a Prumo assinaram um memorando de entendimento (MoU) para impulsionar iniciativas de energia eólica offshore no país. O acordo foi assinado durante a abertura do Brazil Windpower 2023, nesta terça-feira, 12 de setembro, em São Paulo.

A parceria permitirá a troca de informações relacionadas aos estudos destinados a analisar um projeto de energia eólica offshore dentro da área de influência do Porto do Açu. As companhias estão comprometidas em expandir suas operações respectivas e otimizar os resultados como resultado dessa colaboração. Esse esforço conjunto envolve a execução de diferentes estudos críticos para projetos de energia eólica offshore, como estudos ambientais ou regulatórios, juntamente com avaliações de viabilidade financeira e técnica.

Segundo o diretor de novos negócios da Prumo, Mauro Andrade, a parceria evidencia que o Porto do Açu é o melhor ponto no país para a instalação destes projetos. “Essa é uma sinalização muito importante para o mercado e esse acordo permitirá a troca de informações e estudos para o desenvolvimento de projetos eólicos no Brasil”, disse o executivo durante a coletiva de imprensa.

Ele ainda destacou que o acordo mostra o avanço no objetivo de tornar o Açu a principal base de instalação, comissionamento, operação e manutenção para parques eólicos marinhos na Região Sudeste. Ainda segundo o executivo da Prumo, a proximidade de futuros parques eólicos offshore; a logística e o suporte marítimo existente no porto que já serve a indústria de petróleo e gás – e que também servirá ao segmento de eólica offshore; e a instalação da cadeia de valor com turbinas, pás eólicas, cabos e torres, farão do Porto do Açu a infraestrutura mais competitiva para servir esta indústria emergente.

Já o CEO da Ocean Winds, Bautista Rodrigues, destacou que o Brasil tem um imenso mercado e um portencial enorme. “É um setor cheio de oportunidades e estamos muito comprometidos com o Brasil. E queremos ser fortes nessa transformação eólica”, ressaltou. Ambas as empresas pretendem avançar no setor offshore no Brasil por meio dos processos mais eficazes e otimizados para projetos e portos.