Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Voltalia está prestes a anunciar o contrato de venda dos 400 MW restantes do complexo fotovoltaico Arinos, de 1,5 GW no Norte de Minas Gerais, informou o vice-presidente da multinacional no Brasil, Nicolas Thouverez, em entrevista exclusiva à Agência CanalEnergia durante o Brazil Windpower. O ativo teve sua construção iniciada em julho do ano passado, com acordos já firmados para comercialização da energia com a Enel e a CTG Brasil, em respectivas tranches de 600 MW e 400 MW.

Entre outros destaques, o executivo ressaltou que está prevista a inauguração dos projetos solares Serra do Mel 3 a 6 ainda nesse ano, somando 260 MW no Rio Grande do Norte, além de finalizar em breve seu primeiro parque eólico na Bahia. Já o pipeline futuro totaliza mais de 5 GW.

Hidrogênio

Questionado sobre como a empresa pretende se colocar na cadeia do hidrogênio renovável, Thouverez destacou que além dos recentes memorando assinados junto ao Porto do Pecém (CE) e também no Porto Indústria Verde no RN, a ideia é selecionar mais um ou dois portos estratégicos para avaliar os melhores locais de aproveitamento dos recursos eólicos e solares para um abastecimento de energia o mais competitivo possível visando a obtenção do vetor energético do futuro.

“Vamos analisar uma solução técnica e de engenharia desde a geração até a produção de amônia, que achamos por enquanto ser o melhor produto a ser comercializado a partir do hidrogênio”, pontua. Ele também salientou a procura por um parceiro estratégico visando a construção de uma planta piloto, e que o Brasil é um dos dois países que a multinacional francesa irá focar seus esforços com relação a esse novo mercado, que poderá ser explorado a partir da molécula elétron ou produtos verde dependendo muito de variáveis como capacidade de investimento, perfil das empresas e efetivação de parcerias.