Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

O setor hidrelétrico lançou a Hydropower Sustainability Alliance (HSA) no Congresso Mundial de Energia Hidrelétrica. A nova entidade é uma organização multissetorial sem fins lucrativos governada por uma combinação de setores público e privado e tem como meta aumentar a transparência no setor através do seu sistema de avaliação e certificação de sustentabilidade e de um programa robusto de capacitação.

Ashok Khosla é o presidente da HSA, e destacou que a energia hidrelétrica tem um papel importante a desempenhar para ajudar os países a alcançar o desenvolvimento sustentável, cumprir as metas renováveis e enfrentar as mudanças climáticas. Segundo comunicado, a aliança incentivará os melhores projetos. Proporcionará às comunidades, aos governos e aos investidores maior confiança nos seus benefícios líquidos e na forma como os impactos no ambiente local podem ser mitigados.

Dentre as empresas que foram certificadas pela nova organização está a brasileira Jirau Energia, concessionária da UHE de mesmo nome no rio Madeira. Ao seu lado estão Hydro-Québec, Pamir Energy, e Urja Developers. Cada um destes projetos recebeu as primeiras certificações Gold nas suas respectivas regiões – América do Norte, América do Sul, Ásia Central e Sul da Ásia.

Segundo João Costa, recentemente nomeado Diretor Executivo da HSA, a aliança está empenhada em ampliar a adoção de princípios de sustentabilidade na energia dessa fonte incorporando a Norma HS nos mecanismos financeiros e corporativos, nas expectativas da sociedade civil e nas regulamentações governamentais.