Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

O país terá dois leilões de transmissão esse ano. Havia a expectativa de que fossem realizados três certames, um agora em 30 de junho, o segundo com um linhão HVDC em outubro e o terceiro em dezembro. Mas, conforme se falava no mercado, de que a proximidade entre os dois últimos muito grande o que atrapalharia a avaliação econômica dos projetos, houve o pedido à Agência Nacional de Energia Elétrica de que postergue a disputa. A informação foi dada pelo diretor geral da agência reguladora, Sandoval Feitosa, após o painel de abertura do Enase 2023, realizado pelo Grupo CanalEnergia, by Informa Markets, no Rio de Janeiro, nesta quarta-feira, 21 de junho.

Feitosa lembrou que o segundo edital está próximo de ser aprovado na agência, era para ter acontecido na reunião de ontem, 19 de junho, mas foi retirado de pauta, mas esse deverá ocorrer em breve e dentro do prazo estimado entre setembro e outubro. A questão do terceiro será alvo de uma avaliação da autarquia com o MME para pautar esse outro certame para o cumprimento do planejamento.

“Há um terceiro leilão de dezembro que será deslocado para o ano que vem”, confirmou Feitosa.

O certame de 30 de junho colocará em disputa R$ 16,8 bilhões em projetos divididos são 9 lotes. O segundo será o maior em termos de investimentos ao colocar em disputa um linhão HVDC ligando SE Garça Aranha a Silvânia e projetos marginais a esse que levarão a investimentos de R$ 20 bilhões, o maior em termos de aportes em um leilão só em toda a história da Aneel. Contudo, há um segundo linhão HVDC que ficará para 2024 porque a EPE ainda precisa realizar os estudos.

“Deveremos ver uma ampla concorrência e disputa. Fomos procurados pelos agentes. E isso se deve porque este é um segmento estável com receita estável e regulação segmentada previsível e transparente. Transmissão é o menor dos nossos problemas. Mas o mercado espera que os ajustes aprovados pelo Congresso tragam redução de taxa de juros para que os empréstimos de longo prazo estejam com menor custo para permitir bons deságios”, finalizou.