Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A última edição do relatório anual Global Gas Security Review da Agência Internacional de Energia mostra que as tensões nos mercados de gás diminuíram significativamente desde o início do ano, caminhando para o reequilíbrio. Entretanto, a nova análise observa que uma coordenação mais profunda entre os participantes do mercado continua sendo essencial, dadas as mudanças importantes no funcionamento dos mercados de gás. De acordo com o relatório, a crise global de energia desencadeada pela invasão da Ucrânia pela Rússia transformou a estrutura dos mercados de gás natural, exigindo um diálogo mais próximo entre produtores e consumidores, visando garantir a segurança do abastecimento de curto e longo prazo e reduzir as emissões.

A mais recente avaliação da agência sobre a dinâmica do mercado mostra que os mercados de gás caminharam para um reequilíbrio gradual desde o início do ano. Os altos níveis de estoque em locais de armazenamento nos principais mercados asiáticos e europeus fornecem motivos para um otimismo cauteloso antes da temporada de aquecimento de inverno de 2023/2024 no Hemisfério Norte. Caso as injeções continuem na taxa média observada desde meados de abril, os locais de armazenamento da UE atingirão 90% de sua capacidade de trabalho no início de agosto e poderão ser preenchidos perto de 100% em meados de setembro. No entanto, locais de armazenamento cheios não são garantia contra a volatilidade do mercado durante o inverno.

De acordo com Keisuke Sadamori, diretor de mercados e segurança de energia da AIE, um novo mercado global de gás está se formando após a crise do ano passado. Com isso, produtores e consumidores responsáveis devem reconsiderar suas abordagens para fornecer segurança e flexibilidade.

As incertezas permanecem antes da próxima temporada de aquecimento. Um inverno severo, junto de uma interrupção total no fornecimento de gás canalizado da Rússia para a Europa no início da estação de aquecimento, poderia facilmente renovar as tensões do mercado. Uma competição acirrada pelo fornecimento de gás também pode surgir se o nordeste da Ásia experimentar um clima mais frio do que o normal e o crescimento econômico for mais forte do que o esperado na China.

O GNL tornou-se uma fonte básica de abastecimento para a Europa, com a participação na demanda total da UE aumentando de uma média de 12% na década de 2010 para quase 35% em 2022 – semelhante à contribuição do gás canalizado da Rússia antes da invasão da Ucrânia. Enquanto isso, o papel de equilíbrio da China nos mercados globais de gás deve aumentar. Além disso, a flexibilidade do fornecimento de gás precisa ser reavaliada à luz da eliminação das exportações russas de gás canalizado para a União Europeia.

Na América do Sul, o menor consumo de gás no Brasil e Argentina reduziu a demanda de gás na América Central e do Sul no primeiro trimestre de 2023.