Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

Dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) indicam que a geração solar distribuída ultrapassou, no início de agosto, a marca de 22,5 GW. Já dados da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD), apontam que a energia solar responde por mais de 98% do total em geração distribuída. Segundo o CEO da Aldo Solar e Sol Agora, Nuno Verças, os números mostram claramente que o potencial de geração fotovoltaica no Brasil é imenso. “Há muito espaço para crescimento nas mais diferentes áreas do setor, não apenas no financiamento ou na venda de soluções. E estamos lançando a Descarbonize para proporcionar ao mercado um ecossistema completo de possibilidades que facilitam negócios e o movimento global da transição energética”, disse.

A Descarbonize é uma empresa do portfólio de private equity da Brookfield Asset Management e chega ao mercado como uma energytech e terá outras marcas em seu ecossistema que oferecerão soluções complementares às já ofertadas pela Aldo Solar e Sol Agora, como softwares, monitoramento de projetos, suporte técnico, assistência a regulamentações, serviços de Big Data e até de educação, a fim de auxiliar os integradores e os clientes finais em questões técnicas, de vendas e de finanças. “Nosso ecossistema tem o integrador e o cliente consumidor como foco. Eles estão no centro de tudo aquilo que queremos construir. O grande valor da Descarbonize é poder oferecer um conjunto de soluções que permitem a qualquer ator escolher e utilizar a que melhor o atende, desde o Integrador ao distribuidor e nunca esquecendo do cliente final”, explicou Verças.

Novos negócios

A companhia também pretende lançar uma terceira marca e segundo Verças eles vão montar a operação até o final deste ano. “Ela vem para servir, dar assistência técnica e pós-venda para os nossos parceiros”, apontou. O executivo ainda afirmou à Agência CanalEnergia que tem a ideia de criar uma quarta marca para focar em serviços de monitoramento de usinas. “Já desenvolvemos dentro de casa o software para fazer isso e ainda não lançamos porque queremos ter a certeza que a plataforma está ok. Isso está previso para o primeiro trimestre do próximo ano”, destacou.

Para 2024, o CEO espera estruturar a operação de assistência técnica e continuar a desenvolver a plataforma de monitoramento. “Vamos continuar olhando para novas iniciativas do mercado de GD, onde tem muita coisa para se fazer. Vejo uma tendência forte nos carregadores veiculares e para o médio prazo a questão das baterias”, disse.