Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

Presente no mercado de energia solar por assinatura há quatro anos, a Cemig SIM mira um crescimento de seis vezes até maio de 2027. A meta está amparada no aporte de R$ 3,2 bilhões anunciados em março deste ano pela holding, na apresentação do Planejamento Estratégico ao mercado. São previstas 23 novas usinas, instaladas em 13 municípios de diferentes regiões de Minas Gerais para um volume total de 88,9MWp. As obras já foram iniciadas e os ativos entrarão em operação gradativamente a partir do segundo semestre de 2024. O pipeline soma pelo menos 440 MWp até 2027, levando em consideração também as usinas flutuantes.

A empresa também informa que existem 100MWp a serem acrescidos no período, que devem vir de possíveis arrendamentos. “Estamos comercializando 102 MWp no mercado mineiro, principalmente através das fazendas solares, Crescemos 60% nesse ano com a intenção de manter esse ritmo para os próximos anos, acompanhando o mercado de mini GD”, destacou o CEO da empresa, Iuri Mendonça, em entrevista à Agência CanalEnergia. Segundo ele, a expansão também poderá vir com mais fusões e aquisições, além de clientes que possuem rooftop para o autoconsumo, mas que utilizam também energia solar por assinatura para complementar suas necessidades e eficiências.

Fazenda solar em Prudente de Morais (Cemig SIM)

A avaliação do executivo é de que as perspectivas de crescimentos são exponenciais, num mercado ainda de baixa penetração e com alto potencial de consumo, e num momento onde muitas usinas estão ficando prontas e atraindo atenções por não ter um investimento inicial e obras a serem feitas, além do mercado estar aderindo cada vez mais as práticas ESG, como os certificados de origem da energia renovável que a empresa também comercializa.

Por outro lado, Mendonça cita um desafio não vencido, do conhecimento da modalidade, especialmente no varejo. “As pessoas têm certa desconfiança, não entendem a modelagem. É preciso mais educação financeira vindo das empresas para o público”, pontua.

Flutuantes

Além dos investimentos nas fazendas, caberá à Cemig SIM a comercialização da energia gerada pelas usinas flutuantes construídas em quatro reservatórios no estado, que resultará em uma produção de 350 MWp, por meio da utilização de 1% da lâmina d’água dos lagos de hidrelétricas da holding e que representam um mercado complementar ao portfólio de crescimento da subsidiária. “Colocamos a fazenda solar flutuante em locais seguros e não considerados para outros fins”, ressalta, informando que as entregas dos projetos acontecerão de forma anual, a partir do ano que vem até 2027.