A Aliança Utilities for Net Zero (UNEZA) anunciou a adoção de uma rota de trabalho para aumentar a capacidade de energia renovável dentro dos seus portfólios em 749 GW até 2030, numa evolução de 2,5 vezes em relação a 2023. O plano foi divulgado na 14ª Assembleia da Agência Internacional de Energias Renováveis (Irena) e aborda a necessidade premente de dimensionar e modernizar a infraestrutura da rede global para apoiar a meta de triplicar a inserção de fontes limpas nos próximos seis anos, definida na COP28.

Segundo a Irena, serão precisos cerca de US$ 720 bilhões por ano de investimento em sistemas elétricos mais flexíveis para limitar o aquecimento global a 1,5°C. Entre os pontos críticos está a redução de riscos nas cadeias de abastecimento, mobilização de capital e maior apoio político e regulamentar.

Lançada na COP28, a UNEZA é liderada pela Companhia Nacional de Energia de Abu Dhabi, incluindo entre as fundadoras estão a Bui Power Authority, DEWA, DLO Energy, EDF, EDP, Edison International, E.ON, Enel, Engie, Etihad Water and Electricity, Hitachi Energy, Iberdrola , Jinko Power, KEGOC, KenGen, Masdar, National Grid, Octopus Energy, RWE, Distrito Municipal de Sacremento, Schneider Electric, Siemens, SSE, Tenaga, Uniper e Xlinks. Já Green Grids Initiative e ACWA Power entraram recentemente.