Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) finalizou, após quase duas semanas, a Missão SALTO (Safety Aspects of Long Term Operation (LTO)), da usina Angra 1. A agência realizou uma avaliação global de segurança, que abordou diretamente a estratégia e os elementos-chave para uma operação estendida segura da unidade.

A AIEA revisou a preparação, a organização e os programas da usina para uma operação de longo prazo. A missão foi conduzida por uma equipe de doze pessoas, incluindo especialistas da Argentina, Bulgária, Finlândia, Japão, República da Coreia, Países Baixos, Eslováquia e Estados Unidos.

Como resultado, a AIEA identificou pontos considerados positivos que serão compartilhados com a indústria nuclear mundial. Entre eles, o processo de confirmação para avaliar e melhorar regularmente os programas de gestão do envelhecimento; a ferramenta de software desenvolvida para determinar inspeções oportunistas de componentes, além do uso de inteligência artificial para determinar a vida útil qualificada dos equipamentos da planta.

De acordo com a agência, o projeto de Revisão Periódica de Segurança, entregue recentemente à Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), foi avaliado como “Good Performance” (boa performance). Além disso, a AIEA entregou nove sugestões à Eletronuclear e nenhuma recomendação. Após o término da Missão, a Eletronuclear e a Cnen receberam o relatório entregue pela agência internacional e poderão fazer comentários sobre a minuta. Na sequência, a versão final será disponibilizada também ao governo federal, além da própria companhia e do órgão regulador.