Abrace destaca que maior contribuição do setor elétrico é energia limpa e barata

Para Paulo Pedrosa hoje não temos um mercado de energia no Brasil, temos vários mercados que coabitam o mesmo ambiente

Durante o segundo painel do 19º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico – ENASE 2022, que abordou o tema “A Visão dos Agentes sobre os Desafios de 2023-2026”, que aconteceu na última quarta-feira, 08 de junho, Paulo Pedrosa, Presidente da Abrace, abriu sua participação destacando que o Brasil é um país que tem uma condição extraordinária de avançar em projetos de energia renovável e limpa, situação essa que diante de uma crise climática é imensamente valorizada.

No entanto, o setor acaba se acomodando com sua situação atual desde que seja atendido. Se acomoda com o atendimento da demanda do outro. “Hoje não temos um mercado de energia no Brasil, temos vários mercados que coabitam o mesmo ambiente”, destacou Pedrosa.

O discurso de Pedrosa veio ao encontro dito anteriormente por Rodrigo Ferreira, presidente da Abraceel. Como consumidor é importante se perguntar o que queremos. Para Pedrosa, o mercado está desorganizado. Não está sendo capaz de oferecer uma resposta única. “Não estamos sendo capazes de entregar a eficiência sistêmica. Temos um movimento muito grande de fuga legítima dos consumidores dos custos dos sistemas, pelas alternativas que são oferecidas”, ressaltou.

Pedrosa mencionou que os agentes ali presentes não estavam buscando o aumento da eficiência do setor, e sim buscando mecanismos de arbitragem contra regras ruins para ganhar na oportunidade localizada contra o mal distribuído que está sendo feito. “Esse movimento de praticar o bem localizado em troca do mal distribuído, que é o mesmo movimento que levou a explosão dos encargos na tarifa, ele se repete dentro do próprio ambiente do setor elétrico, nas empresas que continuam apostando nas soluções. Tivemos a onda da GD, a onda da energia incentivada, a onda de contratos com conjuntos de benefícios. Nos próximos anos precisamos trabalhar para desmontar esse movimento, “desjabutizar” o setor elétrico, fazendo também a reflexão do que queremos para o setor”.

Numa visão bem clara sobre o trabalho da Abrace, a conclusão sobre a maior contribuição que o setor elétrico tem a dar para sociedade é energia barata e limpa, e isso é o fim. O resto é tudo meio para chegar nesse fim. “Abrir o mercado livre não é um fim, é o meio para aumentar a eficiência do setor, e nem sempre ele aumenta”, apontou Pedrosa.

Fechando o painel, assim como seus colegas de debate, Pedrosa ressaltou a importância da aprovação do PL 414 e a criação de um mercado de energia que de fato possa dar resultados na competitividade da economia para qualidade de vida da população. E concluiu sua participação informando que a Abrace realizou um estudo que traz o impacto da redução do custo de energia para economia, que será divulgado em breve.