Errata: Joint venture investirá R$ 2 bi em eólicas no Brasil

Usinas comercializaram energia no mercado livre e somam 411,6 MW de capacidade instalada

Nota da Redação: Ao contrário do informado, baseado no comunicado inicial das empresas, que afirmava que os investimentos seriam feitos com recursos próprios da Joint Venture, o investimento contará com financiamento de outros agentes em modelo a ser definido. Veja abaixo a matéria corrigida:

———————–

A Votorantim Energia e o fundo de pensão canadense CCP Investiments anunciaram que irão investir R$ 2 bilhões na construção de dois complexos eólicos na região da Serra do Inácio, entre os estados do Piauí e Pernambuco. No total, as usinas somam 411,6 MW de capacidade instalada, com previsão de operação em meados de 2022.

A energia produzida por Ventos do Piauí II e III será comercializada no mercado livre, com 60% do volume já contratado pelas empresas Votorantim Cimentos e Companhia Brasileira de Alumínio (CBA).

Em nota à imprensa, o CEO da Votorantim Energia e presidente do conselho da joint venture, Fabio Zanfelice, disse que, juntamente com os parques Ventos do Piauí I e Ventos do Araripe III, as novas usinas vão compor o maior cluster de geração eólica do Brasil, responsável por 5% da produção de energia através dos ventos do país e 36% da geração eólica do Piauí. “Serão 976,2 MW de capacidade instalada de geração, sendo 745,2 MW naquele estado e 231,0 MW em Pernambuco”, declarou o executivo.

Também em nota, o diretor presidente da CBA, Ricardo Carvalho, declarou que o investimento em energia limpa está alinhado à estratégia de sustentabilidade da empresa. “A sustentabilidade é o ponto de partida que orienta e estrutura todas as nossas ações e projetos.”

A Votorantim Energia estreou no mercado de energia eólica com o projeto Ventos do Piauí I. Com potência instalada de 205,9 MW, o complexo de sete parques eólicos entrou em operação em julho de 2017. Após a conclusão dos projetos Ventos do Piauí II e III, as empresas terá investido aproximadamente R$ 5 bilhões na região, criando um cluster com quatro complexos eólicos equipados com 352 aerogeradores.