BBCE: dados de outubro reforçam retomada do consumo de eletricidade

Volume financeiro transacionado na plataforma em outubro de 2020 (R$ 4,59 bilhões) superou o resultado de janeiro de 2020 , este até então o melhor mês para a empresa

A plataforma brasileira de negociação de contratos de energia elétrica BBCE divulgou nesta quinta-feira, 12 de novembro, o resultado operacional de outubro de 2020 e informou que os números reforçam a retomada gradual da demanda por eletricidade no país, mesmo em meio a um cenário econômico global adverso agravado pela pandemia de Covid-19.

Em outubro de 2020, foram negociados 19,6 mil GWh (7.733 mil contratos). O volume representa um crescimento de 31% em relação a setembro de 2020, assim como foi 51% superior se comparado com outubro de 2019. Em janeiro, até então o melhor mês para a empresa, foram comercializados 17,4 mil GWh representados por 6.245 contratos. O volume financeiro transacionado na plataforma em outubro de 2020 (R$ 4,59 bilhões) também superou o resultado de janeiro de 2020 , este até então o melhor mês para a empresa.

De acordo com Carlos Ratto, presidente da BBCE, os dados confirmam o processo de “eletronificação” dos negócios do mercado livre de energia. “Esse processo ganhou força já em 2019 e 2020 acelerou a tendência”, manifestou-se por meio de comunicado à imprensa. Adicionalmente, o executivo reconhece que os “efeitos climáticos” e a volatilidade de preços no mercado livre contribuíram para o resultado da BBCE em outubro.

Em janeiro, o PLD (Preço de Liquidação de Diferenças) Sudeste/Centro-Oeste atingiu a máxima de R$ 368,56/MWh na primeira semana do mês, enquanto em outubro a máxima foi de R$ 366,51 na última semana do mês.

“A energia para o Sudeste no mês de novembro foi a mais negociada em nossos sistemas, mostrando a busca por proteção, o chamado hedge, e também por ganhos em virtude do cenário traçado por conta do fenômeno La Niña”, destacou Ratto.

Em 2021, entrará em vigou o PLD horário, ou seja, índice de preço oficial que deixará de ser atualizado semanalmente para ser atualizado a cada hora, o que certamente impactará a energia produzida por fontes mais variáveis como eólica e solar (classificadas como Incentivadas). Além disso, o governo federal sinalizou que vai encerrar com o incentivo para as fontes renováveis a partir de 21 de setembro de 2021. O fim do subsídio e a entrada do preço horário devem aumentar a volatilidade e a liquidez dos negócios no mercado livre, uma vez que o PLD é a referência oficial para balizar o preço da energia.