Insole se transforma em fintech para sistemas fotovoltaicos

Expectativa da 'clean-fintech' é ter sete mil clientes em 2021

Há sete anos no mercado e referência em projetos de energia solar em todo o Brasil, a Insole anunciou ao mercado na semana passada, sua nova marca e as bases para a sua transformação em clean-fintech, a primeira do país, cuja moeda é a conta de energia. Após uma longa pesquisa de mercado, estudo sobre o comportamento e as demandas do consumidor, a empresa decidiu ampliar sua atuação transformando-se em uma clean-fintech, cujo objetivo é oferecer não somente o financiamento de placas solares, mas uma proposta de relacionamento de longo prazo, por meio do qual a empresa durante o financiamento oferece outros serviços e produtos, sem qualquer custo ou investimento por parte do cliente mediante a portabilidade da conta de luz dele para a Insole.

Segundo Ananias Gomes, presidente da Insole, a empresa está dando um novo olhar ao relacionamento do cliente. Além de conseguir fazer um ambiente de geração solar sustentável e uma economia extremamente significativa na despesa mensal de energia para o consumidor, está dando um significado e trazendo uma proposta de valor a conta de energia.

De acordo com os estudos feitos pela Insole, um dos grandes entraves para a ampliação do consumo de energia solar é o valor da instalação da usina em residências e estabelecimentos comerciais. Quem busca recursos no mercado financeiro para essa etapa, nem sempre encontra linhas acessíveis, uma vez que elas dependem do perfil de cada cliente. O custo muitas vezes atua como inibidor para o cliente que deseja utilizar uma energia mais limpa, renovável e mais barata. A Insole oferece a possibilidade de o cliente fazer o financiamento direto com a própria empresa usando a conta de energia como moeda de troca. As vantagens estão na análise de crédito mais ágil e menos burocrática. A expectativa é de ter mais sete mil novos clientes em 2021.

Ainda de acordo com Gomes, a conta de luz sempre foi uma grande dor para o consumidor brasileiro e o objetivo é fazer com que ela deixe de ser uma despesa e passe a ser uma fonte de renda, fruto da economia gerada pela geração da energia solar. Nesse modelo, ela passa a ser uma fonte de transformação social. É um novo conceito de microcrédito associado ao mercado de energia solar.