Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

O último relatório Horizons “Metalmorfose: como a descarbonização está transformando o ferro e indústria siderúrgica” da Wood Mackenzie mostra que a ascensão da tecnologia dos fornos de arco elétrico (EAF), o aumento do uso de matérias-primas verdes e a evolução das políticas de carbono remodelarão a produção de aço e os padrões de comércio global.

De acordo com o relatório, a produção intensiva de EAF com baixo teor de carbono representa atualmente 28% da produção mundial de aço. Na nova análise da WoodMac, a produção de EAF aumentará para 50% até 2050. Serão necessários investimentos de US$ 130 bilhões para atingir este objetivo. O nível de investimento baseia-se na perspectiva base da Wood Mackenzie de 550 milhões de toneladas de acréscimos de capacidade líquida até 2050.

Impulsionado pela procura de aço menos intensivo em carbono, este crescimento de capacidade apoiará um aumento na oferta de matérias-primas mais verdes, tais como como Ferro Reduzido Direto (DRI) e sucata de alta qualidade. A expectativa é que a participação destas matérias-primas na procura total de metais vá dos atuais 36% para 54% até 2050. Como resultado, surgirão novos centros de produção, processamento e comércio de ferro e sucata com baixo teor de carbono.

Para Malan Wu, Chefe Global de Pesquisa de Ativos, Metais e Mineração da Wood Mackenzie e principal autor do relatório, a previsão é que a capacidade de FRD dobrará dentro de 30 anos, com um investimento estimado de US$ 80 bilhões necessário. Esta projeção não inclui potenciais investimentos em hidrogênio verde, fundições para DRI de baixa qualidade, centros de pellets e transporte marítimo. Segundo ele, a medida que o custo do aço com baixo teor de carbono aumenta, a qualidade terá precedência sobre a quantidade.

Wu também acrescentou que os produtores de aço na China e na Índia precisarão acompanhar esta tendência e investir na capacidade de EAF para permanecerem competitivos. Segundo Isha Chaudhary, chefe global de mercados de aço e matérias-primas da Wood Mackenzie e coautora do relatório, a produção de ferro e aço é responsável por aproximadamente 8% das emissões de carbono do mundo e é uma indústria difícil de reduzir.

O Oriente Médio e a Austrália estão bem posicionados para aproveitar esta oportunidade e a carteira de projetos em ambas as regiões está a crescer rapidamente. As siderúrgicas globais, as empresas de energia, as mineradoras e as tradings estão liderando a corrida para produzir FRD verde, aproveitando múltiplos catalisadores no Oriente Médio e na Austrália. Na União Europeia, será até 15% mais rentável produzir aço EAF importando DRI do Oriente Médio do que fabricá-lo localmente. Para a Wood Mackenzie, até 2050, a UE se tornará o maior importador global de DRI respondendo por mais de um terço do comércio total.

A China, o maior produtor mundial de aço, provavelmente recorrerá a uma combinação de DRI importado e produzido localmente. Embora as importações provenientes do Oriente Médio sejam mais competitivas, o país asiático também deverá investir internamente para apoiar o seu enorme sector siderúrgico interno.