CPFL Energia avança em processo de oferta de ações no exterior

Companhia arquivou o formulário Form-F-3 na Securities and Exchange Commission, órgão regulador norte-americano

A CPFL Energia deu mais um passo no processo de realizar sua Oferta Pública de Ações, de modo a atender aos requisitos do Novo Mercado da B3, que exige que a companhia tenha um free float mínimo de 15% de ações negociações no mercado de capitais.

De acordo com fato relevante publicado pela empresa nesta quarta-feira, 24 de abril, a companhia arquivou o formulário Form-F-3 na Securities and Exchange Commission (SEC), órgão equivalente a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nos Estados Unidos.

Uma vez aceitas as informações pela SEC, a CPFL Energia poderá realizar a oferta de American Deposity Shares (ADS) no mercado norte-americano. Os ADRs são recibos de ações de empresas de fora dos EUA negociados na Bolsa de Nova York.

“O Form F-3 foi arquivado no contexto da já divulgada intenção da companhia e de seu acionista controlador de realizar uma oferta pública, no Brasil e no exterior, subsequente de distribuição de ações ordinárias da companhia”, diz o documento.

A oferta, porém, ainda está sob análise da diretoria e do controlador. Até o momento não há definição sobre o volume a ser captado, o preço por ação e o cronograma para a sua implementação. A pretendida oferta também precisa passar pelas aprovações dos órgãos responsáveis de modo a atender as condições dos mercados de capitais brasileiros e internacional.

O prazo para o cumprimento da obrigação de recomposição do free float termina em dia 31 de outubro. Desde que comprou o grupo CPFL, a chinesa State Grid passou a controlar 94,75% do capital social da companhia, restando 5,25% em free float.