CCEE: fator de ajuste do MRE recua para 82,3% em 2019

Indicador é influenciado diretamente pelo valor referente ao mês de agosto de 49,7% e que é o menor já registrado para um mês no Brasil

A revisão mensal das estimativas da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica aponta que o fator de ajuste do MRE médio para 2019 está em 82,3%. O dado foi apresentado pela entidade na transmissão do evento InfoPLD para o mês de setembro. Esse indicador é o resultado de uma significativa queda do índice que para agosto está estimado em 49,7%, o menor patamar já registrado no país. Em quase todos os cenários de sensibilidade analisados confirmam a avaliação da câmara, já com os aprimoramentos do CPAMP para 2020 e a ENA média de 5 anos, esse indicador alcança 82,4%.
A tendência é de o GSF de agosto seja o menor índice a ser alcançado este ano. A curva até o final de 2019 mostra uma reversão e melhoria nos resultados, mas ainda assim está no campo negativo, sendo que em dezembro está o melhor esperado, 92,3%. Já a projeção para fins de repactuação do risco hidrológico no horizonte até outubro de 2020 os valores de fator de ajuste do MRE mantêm a curva no campo negativo com exceção no mês de março do ano que vem que pode ficar em 101,4%.
O impacto financeiro do GSF de acordo com a projeção do PLD médio no submercado SE/CO que está em R$ 195/MWh e considerando o fator de GSF de 82% é de R$ 14 bilhões, sendo R$ 10 bilhões no mercado regulado e os R$ 4 bilhões restantes no ACL.
A projeção de energia armazenada segue a curva normal para os meses no horizonte até setembro de 2020, com leve tendência de alta em comparação aos últimos três anos. O piso está estimado em 28% da capacidade a ser registrado em novembro deste ano. Após isso começa a avançar até 63% em maio como pico e encerra o período da análise em 42% da capacidade total de armazenamento ocupada. Em 1º de setembro deste ano o volume utilizado era de 43,2%.

Já em termos de preços, a projeção do PLD apresentada pela CCEE aponta uma equalização entre os valores em todos os submercados até o mês de fevereiro de 2020. A partir de então o Norte apresenta um descolamento. No período a estimativa de fica em R$ 190/MWh e começa a recuar até cerca de R$ 130/MWh no final do ano. No Norte o descolamento vem com o preço chegando a R$ 42/MWh enquanto nos demais mercados fica no mesmo patamar em R$ 133/MWh. A curva apresenta elevação em julho para R$ 158/MWh e volta a recuar até R$ 132/MWh ao final do período analisado.

A curva é exata para os dois maiores submercados do país, o SE/CO e Sul enquanto varia um pouco no NE, mas que segue a mesma tendência, inclusive nas análises de sensibilidade conduzidas pela CCEE. A curva no Norte volta ao patamar dos demais a partir de julho de 2020.
Preço sombra
O cálculo do preço sombra com base no PLD médio oficial apresentou uma leve variação, segundo dados da CCEE. A câmara separou os valores médios semanais por submercados em dois grupos, o SE/CO e Sul do NE e Norte do país. No primeiro o valor médio semanal ficou maior no preço sombra em todos os períodos comparados. O segundo seguiu a mesma tendência, sendo a única exceção na semana 3 quando ambos os valores ficaram iguais, conforme mostra o gráfico abaixo.