Equatorial tem lucro 22,9% maior no terceiro trimestre

No acumulado de nove meses a companhia encerrou o período com ganhos de R$ 1,4 bilhão, aumento de 35,6%

A Equatorial encerrou o terceiro trimestre com lucro líquido ajustado de R$ 607 milhões, aumento de 22,9% quando comparado ao mesmo período do ano passado. O resultado ebitda (antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou em R$ 1,2 bilhão, 13,7% a mais do que o reportado ao final de setembro de 2019 e margem de 27,9%, 6,7 pontos porcentuais acima de um anos atrás.

No acumulado de nove meses a companhia encerrou o período com ganhos de R$ 1,4 bilhão, aumento de 35,6%. O ebitda ajustado no período é de R$ 3 bilhões, 20% a mais, com margem de 26%, 5,6 p.p. a mais do que o reportado em 2019.

A receita operacional líquida da companhia ficou em R$ 4,2 bilhões, queda de 13,7% na comparação com o mesmo período do ano passado. No ano esse volume é de R$ R$ 11,9 bilhões, retração de 5,7%.

Por empresa do grupo, a companhia reportou elevação do lucro na distribuidora no Maranhão (13%, para R$ 113 milhões), Pará (40,9%, para R$ 244 milhões), Alagoas (294,2%, para R$ 138 milhões) em transmissão (34,2%, para R$ 290 milhões). No sentido contrário estão quedas no Piauí que passou a perdas, com índice 168% menor, para R$ 28 milhões. A Intesa recuou 14,9%, mas ainda assim com lucro de R$ 21 milhões.

Os investimentos no trimestre somaram R$ 576 milhões, redução de 61,4% ante o mesmo período de 2019, no ano esse valor é 46,1% menor, com R$ 2 bilhões. A dívida líquida da empresa com isso terminou setembro em R$ 10,4 bilhões, valor 5,4% menor quando comparado com 12 meses atrás. A alavancagem caiu, passou de 3,4x para 2,1 vezes a relação entre a dívida liquida e o ebitda ajustado.

Conforme já reportado, o mercado consolidado da empresa ficou em 5.961 GWh, aumento de 4,3% no trimestre. No ano esse índice é semelhante quando se analisa os dados de 2019, acumula 16.891 GWh. Enquanto isso o número de consumidores aumentou 1,9% na comparação com o fechamento de setembro de 2019. No ACR o crescimento trimestral ficou em 2,5% com destaque para a classe residencial, com 9% de expansão. O ACL aumentou em 17,3%. No ano esses indicadores estão em 3,5% para o ACR e 12,6% no ACL.