Novos donos da Emae, o Phoenix Multiestratégia, diz que essa aquisição é a primeira de outras que poderão ser analisadas. O fundo é formado por investidores com destaque para o empresário Nelson Tanure, que será o acionista de referência, além de sócios do Banco Master de Investimentos e clientes da instituição financeira que poderão aderir ao fundo. No momento a ideia é de expansão da atuação da Emae que será o veículo de geração em São Paulo.

De acordo com o CEO do banco, Maurício Quadrado, a meta é a de melhorar e fazer a empresa crescer. Todas as fontes relacionadas à agora ex-estatal estão sob a mesa, além da hídrica, a solar e até mesmo a fonte térmica. O executivo disse que o projeto de uma UTE a gás na zona sul de São Paulo, que foi anunciada algumas vezes por governos estaduais no passado, continua no portfólio da companhia.

“A primeira coisa é entrar na empresa, vamos colocar uma equipe do setor para trabalhar, buscar sinergias e melhorar os ativos, com possibilidade de consolidação futura com a Light, que tem geração”, comentou ele a jornalistas após o leilão da tarde desta sexta-feira, 19 de abril. “Todos ativos interessam à empresa”, ressaltou ele descartando a venda de algum ativo da Emae.

Quadrado disse que o principal atrativo na Emae foi a a geração de energia. Elogiou a estrutura da empresa e seus resultados, uma companhia sem dívidas, bem gerida e com caixa. Por esses motivos é que a companhia avançou no ágio de 33,68% ante o lance mínimo.

“Queremos melhorar o que temos e ficamos abertos a novas aquisições. Nossa estratégia é estar em São Paulo e Rio de Janeiro”, pontuou. “Usaremos todas as possibilidades que existem e exploraremos as oportunidades que a Emae proporciona”, avisou.

Sobre a Eletrobras, que detém uma participação de 39% em ações preferenciais da Emae, Quadrado disse que por enquanto não há interesse em adquirir a participação da empresa. Comentou ainda que as conversas com a sócia deverão iniciar em breve, pois estavam esperando a definição de quem seria o novo controlador da companhia paulista. Não comentou a possibilidade de comprar nem de vender para a Eletrobras as ações, apenas reforçou que as conversas deverão ser iniciadas em breve.

Em relação aos serviços que a Emae presta, esses estão garantidos em contrato e não há data de validade para que sejam encerrados ou reavaliados. A empresa ainda realiza o controle de cheias com duas usinas elevatórias no rio Pinheiros, entre outros serviços.

A Emae é uma empresa que detém capacidade instalada de cerca de 961 MW divididos entre a UHE Henry Borden, a maior delas com 889 MW no pé da Serra do Mar, em Cubatão. Além disso, opera três PCHs. Em 2008, a Usina Termoelétrica Piratininga foi arrendada para a Baixada Santista Energia, subsidiária integral da Petrobras, com 472 MW de capacidade instalada.

 

(Nota da redação: reportagem alterada em 22/04/2024 às 10h 41 minutos a pedido da assessoria de imprensa do Banco Master para ajuste do cargo de presidente para CEO da instituição financeira)