ANA reduz vazão defluente de Três Marias para 400m³/s e mantém Sobradinho com 900m³/s

Medidas implementadas pela Agência entram em vigor a partir de 1º de dezembro

A Agência Nacional de Águas anunciou que a partir de 1º de dezembro, as vazões defluentes do reservatório de Três Marias (MG) serão reduzidas de 500m³/s para 400m³/s. O objetivo da medida é preservar o máximo possível os estoques armazenados no reservatório, que na última quarta-feira, 25 de novembro, acumulava 8,77% de sua capacidade, para que atenda a todos os usos da Bacia, principalmente diante da possibilidade de que o período úmido na região, de outubro a março, seja tão restritivo quanto em 2014.

No ano passado, as vazões afluentes médias foram de 166m³/s, enquanto a média histórica (de 1931 a 2013) foi de 688m³/s. Até a última quarta-feira, 25, a vazão média registrada em novembro deste ano foi de 143m³/s. Com relação à vazão defluente de Sobradinho, que ontem acumulava 1,65% de sua capacidade, ficou decidido que será mantida a vazão de 900m³/s. Em audiência pública da Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas do Senado, o diretor-presidente da ANA, Vicente Andreu, explicou que uma nova reunião para reavaliação da situação na Bacia está marcada para o dia 15 de dezembro, quando o pedido do Operador Nacional de Sistema Elétrico de redução da vazão de Sobradinho para 800m³/s voltará a ser avaliada. “A vazão de Sobradinho deverá ser reduzida para 800m³/s. As vazões de 900m³/s serão mantidas apenas se as chuvas forem muito favoráveis", disse Andreu.

Desde 2013, a bacia do rio São Francisco vem enfrentando condições hidrológicas adversas, com vazões e precipitações abaixo da média e consequências nos níveis de armazenamento dos reservatórios ali instalados. Por isso, para manter os estoques de água, desde abril de 2013, a operação dos reservatórios vem sendo feita de forma especial e com acompanhamento periódico. Segundo Andreu, caso essas medidas especiais não tivessem sido adotadas, o sistema equivalente dos reservatórios da Bacia do São Francisco, desde 2014, já estaria usando a reserva técnica, conhecida como volume morto.

Uma resolução com as regras decididas na reunião de hoje na sede da ANA será publicada até o fim do mês, com validade até 20 de dezembro. A reunião contou com a participação de representantes do Comitê da Bacia do rio São Francisco, dos órgãos gestores de recursos hídricos dos estados da Bacia, representantes de usuários, do ONS, do Ministério de Minas e Energia, da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco, da Agência Nacional de Energia Elétrica, da Secretaria Nacional de Defesa Civil, da Cemig e da Chesf. Em conjunto com o ONS, a ANA estabelece as condições de operação dos reservatórios do Sistema Elétrico, visando ao atendimento de todos os usos praticados nas bacias hidrográficas onde esses empreendimentos estão instalados.