Carga do SIN em junho fica 2,1% menor na comparação anual

Copa do Mundo, altas nas tarifas e baixa atividade da indústria explicam o desempenho

A carga de energia no Sistema Interligado Nacional em junho atingiu 59.859 MW médios, o que representou um decréscimo de 2,1% na comparação com igual período em 2014. Com relação ao mês de maio deste ano, verifica-se uma variação negativa de 1,7%, segundo informou o Operador Nacional do Sistema em boletim divulgado nesta sexta-feira, 3 de julho. No acumulado dos últimos 12 meses, o SIN ainda apresentou uma variação positiva de 0,5% em relação ao mesmo período anterior.

Segundo o ONS, o comportamento da carga reflete o baixo desempenho da indústria e a elevação das tarifas de energia elétrica. "Destaca-se também que o desempenho da carga do SIN nesse mesmo mês do ano de 2014 foi influenciado negativamente pela concessão de feriados em dias de jogos da Copa do Mundo […].  Apesar desse fato, que pode ser considerado como fator fortuito, a carga dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul registrou valores inferiores aos do mesmo mês do ano passado."

No subsistema Sudeste/Centro-Oeste, os valores de carga de energia verificados em junho apresentam decréscimo de 5,6%, em relação aos valores verificados no mesmo mês do ano anterior. Com relação ao mês de maio, verifica-se uma variação negativa de 2,3%. “A variação negativa apresentada pelo subsistema é explicada, principalmente, pelo modesto desempenho da indústria cuja participação na carga industrial do SIN é de cerca de 60%. Além disso, também contribuiu para a redução da carga a elevação das tarifas de energia elétrica que vem se refletindo nos padrões de consumo de energia desse subsistema”, explica o ONS.

No Sul, variação ficou negativa de 1,5%, em relação aos valores de junho do ano anterior. Com relação a maio, verifica-se um acréscimo de 1,0%. No acumulado dos últimos 12 meses o Sul apresentou um crescimento de 2,3% em relação ao mesmo período anterior.

No Subsistema Nordeste, os valores de carga de energia verificados em junho indicam crescimento de 8,2%, em relação aos valores do mesmo mês do ano anterior. Com relação a maio, verifica-se uma variação negativa de 2,7%. A expansão do consumo de energia nos segmentos residencial e comercial desse subsistema vem sofrendo menor impacto da conjuntura econômica adversa e da elevação das tarifas de energia do que os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul. Além disso, contribuiu para o resultado apresentado pela carga no mês de junho a concentração da maioria dos jogos da Copa do Mundo de 2014 em quatro capitais nordestinas, influenciando.

No Subsistema Norte, o valor de carga de energia verificado em junho indica uma variação positiva de 2,5% em relação ao valor do mesmo mês do ano anterior. Com relação ao mês de maio, verifica-se uma variação negativa de 0,9%. O comportamento da carga de energia desse subsistema reflete o desempenho da atividade dos grandes consumidores eletrointensivos conectados à Rede Básica, que detêm uma participação de cerca de 1/3 da carga do subsistema, sendo que 2/3 desses consumidores pertencem ao setor metalúrgico e são voltados, basicamente, para o mercado externo de commodities.  Merece destaque a permanência em níveis reduzidos da carga de consumidores livres eletrointensivos do setor de metalurgia.